Funcionamento das bibliotecas da FAUUSP nas férias

Biblioteca da Graduação – Prédio Vilanova Artigas – Cidade Universitária

De 30/06 a 08/07/2014 – de segunda a sexta, das 9h às 18h (empréstimos até 17h45). Fechada aos sábados e domingos.

Dia 09/07/2014 – fechada (feriado).

De 10/07 a 01/08/2014 – de segunda a sexta, das 8h às 13h (empréstimos até 12h45). Fechada aos sábados e domingos.

Biblioteca da Pós-Graduação – Rua Maranhão – Higienópolis

De 30/06 a 11/07/2014 a biblioteca funcionará de segunda a sexta, das 8h às 17h. Fechada aos sábados e domingos.

Entre 14/07 e 01/08/2014 a biblioteca estará fechada para inventário.

Palestra e lançamento do livro “Arquitetura e Política”, com Josep Maria Montaner e Zaida Muxí, na FAUUSP

[clique na imagem para ampliá-la]

CARTEL FAU _BR_Prentacion ARQUITETURA E POLITICA copia 2.indd

 

Data: 07/08/2014
Horário: 20h
Local: Auditório Ariosto Mila – FAUUSP
Endereço: Rua do Lago, 876, Cidade Universitária, São Paulo-SP

28º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira – inscrições até 18/08/2014

O Prêmio Design MCB abre até 18 de agosto as inscrições para sua 28ª edição, que conta com a participação de profissionais e estudantes em oito categorias: Construção, Eletroeletrônicos, Iluminação, Mobiliário, Utensílios, Têxteis, Transporte e Trabalhos escritos, além de suas modalidades protótipo, reservadas a projetos que ainda não estejam em produção. Realizado desde 1986 pelo Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o mais renomado e prestigiado prêmio nacional do segmento revela talentos e consagra profissionais e empresas.

Anunciadas pela peça vencedora do Concurso do cartaz, criada por Vicente Pessôa, as inscrições serão analisadas por duas comissões julgadoras independentes, formadas por renomados profissionais e acadêmicos da área. O júri elegerá os premiados e os finalistas, que serão exibidos a partir de 27 de novembro de 2014 na exposição 28º Prêmio Design MCB, quando também será realizada a cerimônia de premiação em homenagem aos participantes. O 1º lugar de cada categoria receberá R$6mil, o primeiro de cada modalidade, R$2mil. O valor da taxa de inscrição é de R$60. Confira abaixo o desconto especial oferecido nesta edição.

Clique [aqui] para fazer sua inscrição.

Participe. Você também pode indicar o contato de pessoas e empresas cujos trabalhos considere interessantes. Envie para nossa equipe, no e-mail: indicapremio@mcb.org.br.
Dúvidas? Escreva para 28premiodesign@mcb.org.br

Desconto para escolas e estudantes
Com o objetivo de estimular a participação de escolas e estudantes, o MCB oferecerá condições especiais de pagamento. Às escolas que organizarem inscrições junto aos seus alunos, a partir de 20 inscritos, será concedido desconto na taxa de inscrição, que passará de R$60 para R$30 cada. Os trâmites devem ser tratados diretamente entre o MCB e as instituições, por meio dos coordenadores dos cursos ou professores responsáveis.

Ação especial para Trabalhos escritos não publicados
Esta edição também traz novidades para os inscritos na modalidade “Trabalhos escritos não publicados”, reservada a trabalhos de pós-graduação cujo tema central esteja ligado a design, arquitetura, urbanismo e paisagismo: os premiados com menção honrosa, 2º lugar ou 1º lugar poderão ter suas obras avaliadas pelo Conselho editorial do Senac, que fornecerá aos autores um parecer, elaborado por sua equipe técnica, sobre a capacidade de publicação dos trabalhos, apontando sugestões e orientações. Além do parecer técnico, a ação também poderá viabilizar a publicação das obras, caso sejam selecionadas pelo Conselho editorial do Senac, passando a integrar a cartela de títulos da editora, mediante acerto prévio com os autores. A ação é fruto da parceria entre o Senac São Paulo e o Museu da Casa Brasileira.

Confira o calendário da premiação
-inscrições – 21/7 a 18/8
-pagamento da taxa de inscrição – até 19/8
-finalizar inscrições – até a meia noite de 25/8
-entrega de trabalhos escritos – até as 18h de 27/8

Acesse aqui: Regulamento e Dúvidas frequentes.
Esta edição tem o apoio de Casa Claudia, Arquitetura & Construção, Senac São Paulo, ArcDesign, Paralela Gift e Arq!Bacana

Fonte: MCB

Exposição de Novas Aquisições – de 21 a 28 de julho de 2014

reading-a-book-001

 

LIVROS

 

50 ANOS de Brasília a nação em construção. Santos :Editora Brasileira de Arte e Cultura, 2010. 196 p.  770.98174 /C492

AZEVEDO, Paulo Ormindo David de; CORRÊA, Elyane Lins. (Org.) Estado e sociedade na preservação do patrimônio. Salvador: EDUFBA, 2013, 260 p. 363.69 / Es82

BRASÍLIA 50 ANOS DE ARQUITETURA. São Paulo: Abril, 2010. 176 p. 724.98174/ B736

CLOUSE, Doug. Mackellar, Smiths & Jordan: typographic tastemakers of the late nineteenth century. New Castle, DE, Oak Knoll Press, 2008. 174 p. 655.2 / C625m

COLIN, Silvio. Pós-modernismo: repensando a arquitetura. Rio de Janeiro: UAPÊ, 2004. 196 p. 724.9 / C682p

GILI, Monica; PUENTE, Moises; PUYUELO, Anna.  (Ed.). Jóvenes arquitectos españoles = Young Spanish architects. Barcelona: GG, c2009. 146 p. 724.946 / J829

HUDSON, Graham S. The design & printing of ephemera in Britain & America, 1720-1920. London: British Library, 2008. 159 p. 655.2 / H867d

KOOLHAAS, Rem. La ciudad genérica. Barcelona: Gustavo Gili, 2011. 62 p F711.401 / K833c

LOY, William Edward. Nineteenth-century American designers & engravers of type. New Castle, Del.: Oak Knoll Press, 2009. 655.2 / L956n

MCGUINNE, Dermot. Irish type: design a history of printing types in the Irish character. 2. ed. Dublin: National Print Museum, 2010. 219 p. 655.2 / M179i

REGO, Renato Leão. As cidades plantadas: os britânicos e a construção da paisagem do norte do Paraná. Maringá: Edições Humanidades, 2009. 220 p. 711.38162 / R265c

SHOUP, Donald C. Parking cash out. Chicago, IL. : American Planning Association, 2005. 118 p. 711.7 / Sh82p

STERNE, Harold E. A catalogue of nineteenth century printing presses. 2. ed. New Castle, Del : Oak Knoll Press, 2001. 258 p. 655.1 /St45c

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. 20º Programa Nascente. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, 2012. 119 p. 707.4 / P943/  20

UPDIKE, Daniel Berkeley. Printing types: their history, forms, and use. 4. ed. New Castle, DE.: Oak Knoll Press, 2001. 2 v. in one.  655.2 /Up4p

Comunicado: Simulação do disparo do alarme de incêndio – Biblioteca da FAUUSP (Cid. Universitária)

No dia 23 de julho de 2014, entre 8h30 e 14h, serão realizados alguns testes na biblioteca da graduação da FAUUSP (edifício Vilanova Artigas – Cidade. universitária), como a simulação do disparo do alarme de incêndio.

Esse procedimento irá durar aproximadamente 30 minutos.

FAU disponibiliza acervo digitalizado da Revista Acrópole

Notícia do site da USP

Com informações da FAU e da Assessoria de Imprensa da USP

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP digitalizou a coleção completa da Revista Acrópole, especializada em arquitetura e urbanismo, que circulou entre os anos de 1938 e 1971. Ao todo são 391 fascículos e mais de 23 mil páginas disponíveis no website, lançado no dia 25 de junho.

O projeto de digitalização foi uma iniciativa da Biblioteca da FAU, detentora de uma das poucas coleções completas da revista, e contou com o apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) e das herdeiras do diretor-proprietário da Revista Acrópolee da Editora Max Gruenwald & Cia., Manfredo Gruenwald.

O objetivo da equipe – formada pelo professor da FAU e diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP, Hugo M. Segawa, pela professora Marcia Rosetto, pela bibliotecária Dina Elisabete Uliana e pela estagiária Carla Catarine Moura Queiroz – foi o de garantir a preservação da coleção, ampliar o acesso a esse importante acervo, subsidiar a pesquisa na área de Arquitetura e Urbanismo realizada no país e consolidar conhecimento e competências específicas com a elaboração de diretrizes técnicas e operacionais para digitalização e disponibilização de periódicos de interesse histórico e científico.

Além da reprodução integral em meio digital da coleção, o projeto também realizou a conversão dos textos e imagens digitalizadas, permitindo busca direta e acesso online, a criação de um banco de dados para o arquivamento da coleção digital e a organização do website para a busca dos registros e textos completos.

História

Editada entre os anos de 1938 e 1971, a revistaAcrópole é uma publicação especializada em arquitetura que apresenta as realizações desenvolvidas não só por arquitetos paulistas, mas também nacionais e internacionais. Em 34 anos de publicação, a revista registrou projetos de edifícios, urbanização, paisagismo, desenho industrial, comunicação visual, arquitetura de interiores e detalhamento arquitetônico, além de textos teóricos, pesquisas, resenhas e notícias de interesse para os profissionais da área.

Nos anos 1950 e, sobretudo na década de 1960, não havia arquiteto ou estudante de arquitetura que não consultasse ou colecionasse a revista, relata Hugo Segawa. “Recordo-me do testemunho de arquitetos gaúchos, jovens profissionais na virada para os anos 1960, que dialogavam com os arquitetos paulistas sem ao menos se conhecerem, folheando as páginas da revista; ou um estudante de arquitetura na segunda metade dos anos 1960 que assinava a Acrópole e a consultava como se fosse um tratado da arquitetura”, relembra.

De acordo com o professor, Acrópole era uma revista comercial, que sobrevivia de publicidade, mas paradoxalmente, pode ter sido ao mesmo tempo uma revista de vanguarda, de tendência, de ideologias e convicções. “Decerto foram os muitos arquitetos-consultores e colaboradores que, ao longo da longeva existência (a maior entre as congêneres de meados do século passado) delinearam as diversas personalidades da Acrópole ao longo de mais de três décadas, compondo um impressionante e surpreendente testemunho de época”, registra Segawa.

O projeto

Em 2012, a Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP lançou o Edital de Preservação de Acervos e Patrimônio Cultura, e a Biblioteca da FAU, responsável pelo desenvolvimento e manutenção do Índice de Arquitetura Brasileira (IAB), indexação dos periódicos que realiza desde a década de 1960, planejou a expansão do IAB aproveitando o potencial das tecnologias. Com o projeto “Digitalização e Acesso Online à Revista Acrópole: Conservação e Preservação da Memória da Arquitetura e Urbanismo”, a FAU obteve o recurso da Pró-Reitoria.

Para Hugo Segawa, recuperar e abrir esta coleção é “trazer de corpo inteiro um testemunho de um rico período, à espera de desvendamentos por parte de pesquisadores com olhares das mais distintas disciplinas”.

O diretor do MAC destaca ainda que, mais do que a digitalização em si, o objetivo foi desenvolver um modelo metodológico de digitalização para esse tipo de material para orientar a futura digitalização e disponibilização de outros conteúdos de publicações periódicas especializadas de igual relevância tanto na USP, como em outras instituições.

FAU-USP põe na internet seu acervo dos 34 anos da revista ‘Acrópole’

Fonte: Blog Seres Urbanos – Folha de S. Paulo

POR VANESSA CORREA

04/07/14 09:32

Para o deleite de aficcionados e estudiosos da história das casas e edifícios brasileiros, a Faculdade de Arquitetura da USP digitalizou toda sua coleção da revista ‘Acrópole’ e colocou à disposição na internet. Não é preciso cadastro ou e-mail. Basta acessar o site e mergulhar em suas 27.542 páginas.

Publicada de 1938 a 1971, a revista dedicada aos projetos arquitetônicos registrou o rápido crescimento da cidade de São Paulo e é fonte riquíssima de pesquisa.

Nesses 34 anos, divulgou o trabalho de arquitetos como Siegbert Zanetini, Ruy Ohtake, Osvaldo Bratke e Rino Levi. Como a redação da revista ficava na cidade de São Paulo, a maior parte dos projetos publicados são do Estado, com ênfase na capital.

De acordo com o crítico de arquitetura e editor da revista Monolito, Fernando Serapião, que estudou a Acrópole em sua dissertação de mestrado, o primeiro proprietário da revista, Roberto Corrêa Brito, dirigia o Cadastro Imobiliário de São Paulo e desejava publicar a obra do arquiteto Eduardo Kneese de Mello.

Surgiu daí a ideia de criar a publicação, com o que colaboraram, além do próprio Kneese de Mello, os engenheiros Alfredo Ernesto Becker e Henrique Mindlin.

Isso talvez ajude a explicar o grande número de obras desses autores na revista, especialmente em sua primeira fase, que durou até 1952, sob a edição de Corrêa Brito. Os conteúdos editoriais e de publicidade não eram claramente separados, e as matérias exibiam logotipos e telefones das construtoras e arquitetos, observou Serapião em seu trabalho.

Nesse período eram frequentes em suas páginas as casas em “estilos” (neocolonial especialmente) projetadas por arquitetos como Kneese de Mello e Bratke, que depois se consagrariam no modernismo.

Essa predominância ajuda a explicar um pouco aquele momento, pouco antes da explosão do estilo internacional, quando se buscava uma arquitetura nova que refletisse os valores e tradições nacionais. Busca que se traduziu, no Brasil, na reedição de elementos da arquitetura colonial.

Em 1952, Quando Max Grunwald se tornou editor, o perfil da revista mudou e, de acordo com Serapião, passaram a ser escolhidos projetos de maior qualidade para a publicação. O que se registrou a partir daí foi principalmente o modernismo arquitetônico que tomava corpo na cidade de São Paulo.

Em uma rápida “folheada” nos exemplares, separei alguns projetos emblemáticos.

Nos primeiros volumes, eles aparecem ao lado de anúncios como os da casa de vitrais Conrado Sorgenicht (aberta até hoje), da construtora Monções de Artacho Jurado, e de um lançamento imobiliário onde se lê “construa seu lar no Pacaembú, a nova maravilha urbana”.

O Clube Regatas do Tietê, de Vilanova Artiga, foi publicado no nº27, em 1940. Três edições depois (1940, nº30), aparece o projeto do então recém-construído Hospital das Clínicas.

Em 1941 (nº 34) a Acrópole trouxe os desenhos e fotos da construção da Via Anchieta e da canalização do rio Tietê, mostrando que o urbanismo era um tema tão importante em suas páginas quanto a arquitetura.

Já na segunda fase, a revista publicou (1960, nº 255) projetos como o edifício Quinta Avenida, de Pedro Paulo de Melo Saraiva, construído na avenida Paulista. Em 1970, veio o especial sobre Brasília (nº375). A última edição (nº390), de 1971, é toda dedicada a projetos de sinalização como o do Metrô de São Paulo.

A resolução das páginas digitalizadas não está lá grandes coisas, mas com o zoom, é possível ler todos os textos. Além disso, faltam algumas edições e páginas, como as folhas que trazem o projeto do prédio da própria FAU-USP, de Vilanova Artigas (1970, nº377). A ausência foi notada pelo perfil “Vilanova Artigas Professor” no Facebook.

Nada que tire o brilho da iniciativa da faculdade de tornar acessível a qualquer um, a partir do sofá de casa, as páginas dessa revista pioneira.

Índice de Arquitetura Brasileira

Repositório Referencial em Arquitetura, Urbanismo, Design e Arte

O Índice de Arquitetura Brasileira é um repositório com informações referenciais temáticas publicadas em periódicos brasileiros da área e existentes no acervo da Biblioteca da FAUUSP, e que complementa as fontes tradicionais de pesquisa como os memoriais descritivos, cadernos de encargos, fotografias, entre outros.

Iniciado a partir de 1950, as informações foram primeiramente disponibilizadas em formato impresso, e desde 2006 através da Base de Dados organizada com o apoio da FAPESP.

Para acesso ao Índice clique AQUI

O Índice permite realizar busca por autor, título, assunto, título do periódico, data de publicação, e local de publicação dos títulos indexados, e proporciona o acesso aos artigos que já estejam em meio digital e que estão linkados para consulta online.

Os sete volumes que compõem o Índice no formato impresso, período de 1950 a 1995, foram digitalizados com o apoio da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, com o propósito de preservação e acesso online pelo website da Biblioteca. Os volumes podem ser consultados a partir dos links abaixo.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.294 outros seguidores