EXPOFAU 2010

O EXPOFAU é um evento artístico tradicionalmente promovido pela FAUUSP no qual são expostos trabalhos enviados pela comunidade (alunos, funcionários e professores).

Qualquer obra, apresentação ou oficina é aceita, sendo necessário preencher o formulário disponibilizado no site http://expofau2010.blogspot.com até o dia 10 de outubro.

O EXPOFAU abrange diversos formatos, tais como fotografias, pinturas, esculturas, móveis, instalações, mídias digitais, filmes, apresentações de música, teatro e dança, etc. também é possível propor oficinas, cujos produtos podem ser exibidos.

Em caso de alguma dúvida, entrar em contato com o GFAU ou com a comissão organizadora através do email expofau2010@gmail.com

Lançamento do livro: Rios e Cidades

[Clique na imagem para ampliá-la]

 

26 a. Exposição das novas aquisições de 27 a 01.10. 2010

Livros

1-  BELLIDO BLANCO, Santiago El Río Duero: influencia del entorno natural en la conformación del paisaje humanizado, un análisis gráfico arquitectónico. Salamanca, Junta de Castilla y León. Consejería de Fomento, 2005. 231 p.

G714.24 / B417r

2 – BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (BRASIL) Os ecossistemas brasileiros e os principais macrovetores de desenvolvimento: subsídios ao planejamento da gestão ambiental. Brasília, MMA, 1996, 1997. 188 p.

G574.5 / B736c

3 – COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANO A cidade nos trilhos: transporte de passageiros sobre trilhos para o desenvolvimento urbano e regional – monografias premiadas. Rio de Janeiro, CBTU, 2009. 256 p.

388.4 / C738c / 5

4 – MLODINOW, Leonard O andar do bêbado. São Paulo, Zahar, 2009. 261 p.

519.2 / M699a / e.1-3

5 – NASCENTES, Antenor Dicionário etimológico da língua portuguesa.  1.e única ed. Rio de Janeiro, F. Alves, 1932-. v. 1-.

LR469.3 / N17d

6 – OLIANI, Alfredo Instituto de Artes do Planalto. Antigos artistas do Bairro do Ipiranga Tito y Hygino Oliani. São Paulo, UNESP, 1983. 15 p.

F780.9 / OL3a

7 – PICCININI JÚNIOR, Fernando Catedral da Sé. São Paulo, Imprensa Oficial : Mitra Arquidiocesana, 2004. 144p.

G726 / C282

2ª Modernidad Urbano Arquitectónica

[Clique na imagem para ampliá-la]

 

Exposição: As Construções de Brasília

[Clique na imagem para ampliá-la]

Entre 28 de setembro deste ano e 16 de janeiro de 2011, a Galeria de Arte do SESI-SP apresentará a exposição As construções de Brasília. A mostra conta com 140 fotografias do acervo do Instituto Moreira Salles, além de uma seleção de cerca de 60 obras de linguagens variadas, de artistas modernos e contemporâneos, que abordam a imagem da capital federal. A exposição, que tem entrada franca, é uma realização do Instituto Moreira Salles em parceria com o SESI-SP, e tem curadoria de Heloisa Espada, do IMS.

A coleção conjuga conteúdos de interesse histórico, estético e crítico. Organizada em dois núcleos, apresenta algumas das mais importantes fotografias sobre a construção e os primeiros anos da capital e, também, obras recentes que discutem os simbolismos de Brasília e a condição atual da arquitetura e do urbanismo contemporâneos.

O primeiro núcleo apresenta parte da valiosa coleção de fotografias de Marcel Gautherot, Peter Scheier e Thomaz Farkas, que hoje integram a coleção IMS, realizadas em Brasília, sobretudo entre o final dos anos 1950 e o início da década seguinte. Essa parte da mostra traz também obras gráficas e audiovisuais de Mary Vieira, Aloísio Magalhães e Eugene Feldman sobre a edificação e os primeiros anos da capital.

No segundo núcleo da exposição, a imagem da capital aparece em trabalhos de linguagens variadas por meio de mapas, cédulas de dinheiro, recortes de jornal, cartazes, cartões-postais, vídeos e fotografias. São obras realizadas por artistas de diferentes gerações como Waldemar Cordeiro, Cildo Meireles, Almir Mavignier, Regina Silveira, Orlando Brito, Emmanuel Nassar, Robert Polidori, Jac Leirner, Rubens Mano, Mauro Restiffe e Caio Reisewitz.

A obra dos fotógrafos do acervo IMS é apresentada sob uma perspectiva histórica, com informações sobre as circunstâncias em que as imagens foram realizadas e sobre os veículos de comunicação em que foram divulgadas. Um dos destaques desse núcleo são as fotos do francês Marcel Gautherot sobre a construção da capital, bem como imagens das principais obras arquitetônicas de Oscar Niemeyer registradas no início dos anos 1960. Boa parte das obras de Gautherot vai além do registro técnico, mostrando um mundo novo, arejado e espaçoso, onde predomina a amplidão e o vazio. Da produção do alemão Peter Scheier, que esteve na cidade em 1958 e 1960, a exposição privilegia imagens do dia a dia dos primeiros habitantes de Brasília: cenas do Núcleo Bandeirante, de pedestres nas áreas comerciais das superquadras e de crianças indo à escola. Mostra também fotografias de arquitetura de sua autoria que, diferente das de Gautherot, registram paisagens urbanas recortadas por vidraças e venezianas, conferindo uma aparência multifacetada para a capital. Thomaz Farkas fotografou também o Núcleo Bandeirante e as primeiras favelas em torno do Plano Piloto. Fez ainda um retrato épico do dia da inauguração, mostrando o presidente Juscelino Kubitschek sendo aclamado pela população.

Os trabalhos de Mary Vieira, Eugene Feldman e Aloísio Magalhães reunidos nessa primeira parte da mostra revelam a construção simbólica da imagem de Brasília como ícone nacional. De Mary Vieira, é mostrado o cartaz e o livro de artista brasilien baut brasilia, realizados em 1957 e 1959, respectivamente, que se referem à participação do Brasil na exposição Interbau, em Berlim, em 1957. A exposição preparada por Mary Vieira apresentou pela primeira vez os projetos da nova capital do Brasil a um público europeu. De Aloísio Magalhães e Eugene Feldman, é mostrado o álbum Doorway to Brasília (1959), uma obra gráfica experimental na qual os monumentos de Brasília ganham uma feição pop. Também são apresentadas nesse núcleo cenas em 16 mm do canteiro de obras feitas pelo artista gráfico norte-americano Eugene Feldman, em 1959. As imagens coloridas, que enfocam, sobretudo, a figura do candango, estabelecem um interessante contraponto às fotografias de Gautherot, nas quais o destaque são as formas arquitetônicas.

Os trabalhos reunidos no segundo núcleo da exposição As construções de Brasília, por um lado, discutem o status da cidade como emblema da nação e, por outro, provocam uma reflexão sobre a condição atual da arquitetura e do urbanismo modernos. De representação do país do futuro, a capital passa a ser vista como palco de crises econômicas e políticas. Sob certos ângulos, ela perde sua dimensão monumental, chegando a se confundir com outras cidades do país.

Waldemar Cordeiro, por exemplo, participa com a obra Liberdade (1964), uma espécie de maquete com formas fragmentadas que lembram os monumentos da praça dos Três Poderes. O trabalho composto pela colagem de objetos, imagens de jornal e textos retalhados enunciam a desarticulação da proposta desenvolvimentista da era JK. Regina Silveira participa com a série de cadernos de cartões-postais intitulada Brazil Today (1977), obra que comenta o uso político, durante o período militar, de imagens idealizadas de ícones nacionais, tais como a paisagem do Rio de Janeiro, a rodovia Transamazônica e os monumentos de Brasília. De Jac Leirner, são mostradas obras da série Fase Azul realizadas nos anos 1990, cuja matéria-prima são notas de 100 cruzeiros e cruzados que circularam a partir de 1985, ilustradas com o rosto de Juscelino Kubistchek de um lado e um conjunto de monumentos da capital de outro.

Os fotógrafos deste núcleo mostram Brasília sob um ponto de vista muito diferente daqueles registrados nos anos de sua construção. Aqui, a aliança entre arte e poder perde sua dimensão utópica; a capital é vista como um cenário político disperso e carente de ideologias agregadoras. Ela é mostrada, sobretudo, como um organismo vivo, em constante transformação, muito além dos limites do Plano Piloto, repleta de ambiguidades e contradições.

Caio Reisewitz enfoca a relação entre estética e poder por meio de fotografias do palácio do Itamaraty. Mauro Restiffe mostra a série Empossamento, com fotos realizadas durante a festa de posse do presidente Lula, em 2003, nas quais não há políticos em cena. O que se vê é um ponto de vista distanciado de quem presencia a festa sem participar dela.

A videoinstalação futuro do pretérito (2010), de Rubens Mano, é formada por dois painéis, que mostram concomitantemente cenas do dia a dia no Plano Piloto e das cidades satélites de Brasília. Na obra, concepções de futuro e passado, preservação e abandono, planejamento e improviso, natureza e modernidade se confundem e se sobrepõem, fazendo com que, sob diversos ângulos, a capital federal se pareça com outras cidades do país.

Catálogo: As construções de Brasília

Além de reunir as obras expostas na mostra, a publicação tem textos de Heloisa Espada, do crítico de arte Lorenzo Mammì, do coordenador de fotografia do Instituto Moreira Salles, Sergio Burgi e da historiadora Anat Falbel.

As construções de Brasília

240 p.
ISBN: 978-85-86707-52-0
23 x 30 cm R$ 90,00

Exposição As construções de Brasília
Local: Galeria de Arte do SESI-SP – Av. Paulista, 1313 – metrô Trianon-Masp
Vernissage: dia 27/09/2010 (segunda-feira), às 19h30 – apenas para convidados
Datas e horários: de 28 de setembro de 2010 a 16 de janeiro de 2011 – às segundas-feiras, das 11h às 20h; de terça-feira a sábado, das 10h às 20h; e aos domingos, das 10h às 19h.
Informações: (11) 3146-7405 / 3146-7406 / www.sesisp.org.br/centrocultural
Entrada: franca
Recomendação etária: livre
Agendamento de grupos: (11) 3146-7396 – de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h.

Convite: Cerimônia de Posse da Diretora do IEB-USP – Profa. Maria Angela Faggin

[Clique na imagem para ampliá-la]

V Semana de Biblioteconomia da ECA/USP

 

A Semana de Biblioteconomia da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) é em evento acadêmico que objetiva estimular e promover o espírito crítico em relação à formação e à atuação do bibliotecário; reunir a comunidade bibliotecária paulista, aproximando-a da principal universidade pública brasileira – a USP; e divulgar o curso de Biblioteconomia na ECA e na USP, mostrando a multiplicidade de atuações do bibliotecário e a interdisciplinaridade da carreira com outras áreas. 

O evento é organizado por alunos do curso de Biblioteconomia da ECA/USP, sob a orientação do Professor Waldomiro Vergueiro e apoio do departamento de Biblioteconomia e documentação (CBD). Serão promovidas palestras e mesas-redondas com convidados e ex-alunos do próprio curso. As atividades ocorrerão entre 27 de setembro a 01 de outubro de 2010.
 
Neste ano o tema da V Semana de Biblioteconomia será “As áreas de atuação do bibliotecário” e contará com mesas-redondas sobre Bibliotecas, Centros de Documentação, Centros de Memória, Consultorias, Arquitetura da Informação, Documentação Audiovisual, Área Acadêmica: pesquisa e docência e uma palestra sobre  Bibliotecários no mundo: a experiência do profissional de outro país.
 
A programação completa, com informações sobre os palestrantes, está disponível no endereço: http://www.cabieca.com.br/semanabiblio/

 

Fonte: CABi-ECA