Armários da Biblioteca



Como todos sabem, os armários da biblioteca são de uso restrito a seus frequentadores, no período em que estiverem estudando, lendo, pesquisando, enfim, enquanto estiverem DENTRO DA BIBLIOTECA.

Infelizmente, nos últimos tempos algumas pessoas têm usado os armários de maneira indevida, prejudicando os colegas que precisam utilizá-los para entrar na biblioteca. Além disso, essas pessoas também comprometem a segurança de todos.

Por esta razão, a partir de hoje (09/11/2010), iremos encaminhar os nomes daqueles que pernoitarem com a chave do armário para o Conselho de nossa biblioteca. As sanções para tal fato serão: pagamento da confecção de outro miolo (cerca de R$50) e suspensão do uso da biblioteca (empréstimo) pelo período estabelecido pelo Conselho e/ou direção desta biblioteca.

Contamos com a colaboração e com o respeito de todos.

V Seminário Arte, Cultura & Fotografia

08 a 12 de novembro de 2010, no auditório do MAC -USP.

Programação do dia 10 de novembro

 

14h – Comunicações: Arquitetura, cidade e imaginário nacional.

Eliane Pinheiro Silva (GEA&F – ECA/USP) – Considerações sobre a “Primeira missa no Brasil” de Victor Meirelles
A comunicação apresentará resultados da pesquisa de Iniciação Científica (FAPESP) sobre as circunstâncias que fizeram da pintura Primeira missa no Brasil (1860), de Victor Meirelles (1832-1903), um dos modelos para a produção de pintura histórica no século XIX, participando da construção de uma visão idealizada do país. Inspirada no acontecimento narrado na Carta de Pero Vaz de Caminha, ela inaugurou um tema que se tornaria canônico na arte brasileira, retomado por obras de alguns artistas que foram estudados nessa pesquisa: Pedro Peres, Oscar Pereira da Silva, Carlos Oswald, Candido Portinari, Glauco Rodrigues e Anna Bella Geiger. As citações feitas por tais artistas permitiram reconhecer a permanência da imagem no centro de um debate sobre a identidade brasileira. Tal debate deixaria suas ressonâncias também sobre o século XX, quando alguns desses símbolos de brasilidade foram repensados criticamente.

Heloisa Espada (GEA&F – ECA/USP) – O repertório moderno na representação de Brasília pelo fotógrafo Marcel Gautherot
Entre o fim dos anos 1950 e início da década seguinte, o fotógrafo francês Marcel Gautherot (1910 – 1996) registrou a construção e os primeiros anos de Brasília, produzindo um conjunto de aproximadamente 3.500 imagens. A série compõe um discurso visual de sentido épico no qual se configura o mito do nascimento de uma nação forte e moderna, representado pela construção da nova capital do Brasil. Divulgadas em revistas e exposições nacionais e internacionais de arquitetura, as fotos de Marcel Gautherot eram como um argumento a favor do caráter plástico e monumental da obra de Oscar Niemeyer. A comunicação apresenta um conjunto delimitado dessas imagens e sua relação com diferentes momentos da arte moderna, tais como a pintura metafísica de Giorgio De Chirico e a arte construtiva, que na época caracterizava parte significativa da produção artística no Brasil. A intenção é analisar de que maneira Marcel Gautherot se apoiava num repertório plástico moderno para construir a imagem de uma cidade que, entre outros aspectos, foi debatida como a possível concretização de uma síntese das artes.

Sonia Maria Milani Gouveia (FAU-USP) – O homem, o edifício e a cidade por Peter Scheier
Este trabalho analisa a fotografia urbana e de arquitetura com base no álbum São Paulo fastest growing city in the world, de autoria de Peter Scheier, editado em 1954 no contexto das comemorações do quarto centenário da cidade de São Paulo. O álbum traz conteúdo informacional extenso, não só sobre a cidade na década de 1950, mas também a respeito de Peter Scheier, uma vez que foi elaborado a partir de material de seu arquivo, fotografias publicadas nas revistas O Cruzeiro e Habitat e no livro Modern Architecture in Brazil, produzidas para o MASP, do qual era fotógrafo oficial. O objetivo da apresentação é, através da análise da obra de Peter Scheier, compreender a dinâmica da atividade dos fotógrafos que atuavam em São Paulo em meados do século XX.

16h – Conferência
Helouise Costa (Professora do MAC-USP) Momento Decisivo no Museu: a assimilação da obra de Henri Cartier-Bresson no Brasil.
A produção fotográfica de Henri Cartier-Bresson ocupa uma posição singular na história da fotografia moderna. Aclamada duplamente por suas qualidades artísticas e documentais, conquistou esse estatuto híbrido por intermédio de ações implementadas nos Estados Unidos já na década de 1930. Essa confer irá investigar, primeiramente, o processo de legitimação da produção de Henri Cartier-Bresson nesses dois campos entre 1933 e 1955. Em seguida será apresentado um levantamento acerca da assimilação da obra de Henri Cartier-Bresson no Brasil, processo que se inicia na década de 1970 por meio de exposições em museus e da publicação de textos do fotógrafo traduzidos para o português.

 

Informação recebida de Daniel Jacobino.
Fonte: http://migre.me/26DzB  

Lançamentos na FAU Maranhão

[Clique na imagem para ampliá-la]

Arquitetando a “Boa Vizinhança”: arquitetura, cidade e cultura nas relações Brasil – Estados Unidos 1876-1945.

Ferrovias e Saneamento em São Paulo: o engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza e a construção da rede de infraestrutura territorial e urbana paulista 1870-1893

Dia 11 de novembro de 2010
FAU Maranhão – Sala dos Espelhos
Rua Maranhão 88 – Higienópolis
São Paulo – SP