Arte feita de grampos

Cidade feita de grampos, por Eric Nelson.

 

 

Anúncios

Móveis revolucionários

Continue vendo no blog: Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos

VII Fórum Ambiental – Chamada para trabalhos até 15/08/2011

[Clique na imagem para ampliá-la]

 

Exposição “Capim Dourado: costuras e trançados do Jalapão”

A CASA museu do objeto brasileiro recebe, a partir de 14 de julho, a exposição Capim dourado: costuras e trançados do Jalapão; uma oportunidade para o público de São Paulo apreciar e adquirir peças artesanais produzidas com esta espécie vegetal por artesãos de 5 comunidades dos municípios de Ponte Alta, São Félix, Mateiros e Novo Acordo, situados na região do Jalapão, no estado do Tocantins.

A exposição é uma realização do Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) e do Programa Mais Cultura, do Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) e Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro (Acamufec), que contam com a parceria de A CASA museu do objeto brasileiro.

O capim dourado é uma “sempre-viva” da família das Eriocauláceas, a syngonanthus nitens, que significa “brilho”, e originados dele estarão expostos os mais variados tipos de objetos – potes, jarros, fruteiras, porta-pratos, bolsas, bijuterias, entre outros – confeccionados por meio de técnica artesanal herdada dos índios Xerente e repassada aos moradores do povoado de Mumbuca há cerca de 80 anos.

O capim dourado, ou capim de vereda, como era chamado antigamente, é uma matéria-prima típica da região do Jalapão e vem sendo alvo da biopirataria, contrabandeada em outras áreas do Brasil central e promovida por meio da concorrência ilegal sobre a espécie. Por ser uma alternativa de sustento para a população local, produtores e artesãos do Jalapão buscam obter junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) a proteção ao capim dourado pela Indicação Geográfica (IG), na modalidade de Indicação de Procedência. O processo de pedido de IG já está em tramitação no INPI, que enfatiza que “além de proteger os produtores e artesãos locais, o intuito é criar um diferencial, garantindo a qualidade e a competitividade do produto”(fonte: www.inpi.gov.br).

O município de Mateiros, a 324 quilômetros da capital Palmas, com destaque para a comunidade de Mumbuca, constitui um dos núcleos iniciais dessa produção artesanal que, em virtude da crescente demanda de mercado, se expande por outros municípios da região, como São Félix, Ponte Alta e Novo Acordo.

A comercialização do artesanato feito com o capim dourado concorreu para a melhoria das condições de vida das famílias dessas localidades, segundo relato de moradores.

Ainda hoje, mesmo com a redução das vendas provocada pela concorrência da expansão da produção artesanal para outros municípios da região, o capim dourado continua sendo uma das principais fontes de renda para os moradores das comunidades produtoras no Jalapão. Com o reconhecimento da matéria-prima e da produção artesanal do capim dourado, grandes artistas do design brasileiro já trabalharam com estas comunidades, agregando novos valores ao produto.

De um modo geral, o artesanato com o capim dourado é produzido por homens, mulheres e crianças a partir dos 10 anos de idade. A dedicação de cada um varia de acordo com os afazeres referentes a seus papéis sociais. Homens e mulheres dividem a produção artesanal com as atividades domésticas ou na roça, e com os serviços externos prestados à Prefeitura, às escolas etc.

Para costurar as hastes do capim dourado, os artesãos usam a “seda” do buriti, palmeira que nasce nas veredas e nas matas ciliares da região. A “seda” é obtida pela extração da fibra encontrada no interior do “olho” ou “folha flecha”, o talo de uma folha nova do buriti. O processo da costura do capim dourado exige muita paciência, atenção e cuidado. O material, embora flexível, é frágil, quebrando com facilidade durante o manuseio. Além disso, para garantir a uniformidade visual das peças, o artesão deve estar constantemente preocupado em manter as mesmas proporções da linha e do capim do início ao fim da confecção de um produto. Atualmente, alguns artesãos incrementam suas peças com materiais mais modernos como fios coloridos, sementes, miçangas e até linhas douradas importadas da China.

Sobre o Promoart
O Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) foi criado para apoiar grupos produtores de artesanato tradicional, buscando o desenvolvimento deste setor da cultura brasileira. Integrado ao Programa Mais Cultura, do Ministério da Cultura, pretende destacar a qualidade e a importância dos saberes tradicionais específicos dos quais o artesão é portador. Seu objetivo é proporcionar condições dignas de sobrevivência aos artesãos e estímulo a sua arte, bem como a formação de mercado que reconheça o valor do artesanato no mundo contemporâneo.

Realizado pela Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro (Acamufec), por meio de convênio firmado com o Ministério da Cultura, o Promoart conta com a gestão conceitual e metodológica do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) do Departamento de Patrimônio Imaterial/Iphan. Em sua fase de implantação, abrange 65 polos de todas as regiões do país, estratégicos para o desenvolvimento de uma política nacional para o artesanato.

Sobre A CASA
A CASA Museu do Objeto Brasileiro tem o objetivo de contribuir para o reconhecimento, valorização e desenvolvimento do artesanato e do design brasileiros, incrementando a percepção consciente a respeito do nosso produto brasileiro.

Nossa forma de atuação está em coletar, pesquisar, selecionar, documentar e conservar produtos e referências culturais; comunicar, difundir e disponibilizar informação e conhecimento a respeito desses produtos e referências, por meio de exposições físicas e virtuais, publicações, vídeos, debates, ações educativas, entre outros; promover e instituir mediações, atuando como rede que interliga iniciativas e pessoas envolvidas e interessadas na expressão cultural brasileira; estimular a reflexão crítica sobre a expressão cultural brasileira, por meio da realização de encontros, seminários, conferências, cursos, etc.; instituir critérios de avaliação de iniciativas relacionadas ao design e artesanato, estabelecendo parâmetros quanto à ética e qualidade dos projetos; promover a capacitação dos agentes culturais envolvidos.

FICHA TÉCNICA:
Presidência da República
Presidenta: Dilma Vana Rousseff
Ministério da Cultura
Ministra: Ana de Hollanda
Programa Mais Cultura

Realização
Associação de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro
Presidente: Lygia Segala

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
Presidente: Luiz Fernando de Almeida

Departamento de Patrimônio Imaterial
Diretora: Ana Gita

Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular
Diretora: Claudia Marcia Ferreira

Parceria institucional e apoio financeiro
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
Presidente: Luciano Coutinho

Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural – Promoart
Coordenação técnica: Ricardo Gomes Lima
Coordenação administrativa: Elizabete Vicari
Polo: Trançado em capim dourado do Jalapão
Gestora: Wilmara Figueiredo
Setor de Pesquisa/Coordenadora:
Maria Elisabeth Costa

Programa Sala do Artista Popular
Responsável: Ricardo Gomes Lima
Pesquisa: Marina Sallovitz Zacchi e Tércia Monteiro Viana
Texto: Marina Sallovitz Zacchi
Fotografias: Francisco Moreira da Costa

A CASA museu do objeto brasileiro
Direção geral: Renata Mellão
Projeto expográfico: Renata Mellão
Coordenação e produção: Jaine Silva
Fotos: Francisco Moreira da Costa
Administração de conteúdo: Daniel Douek
Consultoria de projetos: Cláudia Vendramini
Assistência de produção e divulgação: Daniel Casquel de Tomasi
Secretaria: Cleide Lopes
Assessoria de imprensa: Solange Viana
Manutenção e montagem: Alex Belarmino e José Mendes de Araújo

Realização

Promoart+Cultura
Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro
Centro Nacional de Cultura Popular / IPHAN / Ministério da Cultura

Parceria
A CASA museu do objeto brasileiro

Visitação
de 15 de julho a 12 de agosto, de segunda a sexta, das 10h às 19h

A CASA museu do objeto brasileiro
Rua Cunha Gago, 807, Pinheiros I 05421 001 São Paulo – SP
+ 55 11 3814 9711 | acasa@acasa.org.br | www.acasa.org.br | twitter.com/museuacasa

Promoart
(21) 2285-0441, ramais 235, 263 e 241
Wilmara Figueiredo: (21) 8608-2745 / 8300-0252 – wilmara.gestor@promoart.art.br

 Fonte: A Casa

Treinamentos online para uso de ferramentas de pesquisa- julho/agosto 2011

Notícia do SIBi (Sistema Integrado de Bibliotecas) da USP:

Aproveite as férias para melhorar sua competência no uso de ferramentas de pesquisa. Os cursos de capacitação online sobre as bases de dados da ProQuest (em português) continuam nos meses de julho e agosto. Lembramos que os cursos online são destinados não somente a bibliotecários, mas também aos usuários finais. Portanto, não deixe de divulgá-los para os alunos, professores e colegas de sua instituição. Treinamentos: ABI/INFORM, Health and Medical Complete, Minhas Pesquisas, Introdução à nova plataforma.

Clique aqui para acessar os treinamentos.

Portal de Periódicos terá versão para smartphones e tablets

Clique na imagem para acessar o Portal de Periódicos da CAPES.

 

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Brasil, está desenvolvendo, em parceria com a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Brasil, uma versão de fácil acesso ao Portal de Periódicos para aparelhos smartphones e tablets com browser compatível com o webkit como o iPhone, Android, Palm OS e Nokia S60. Para testar em PCs, use o Chrome ou o Safari.
 
A versão disponível a partir do endereço http://www.periodicos.capes.gov.br/mobile ainda está em fase de testes, mas os usuários que quiserem contribuir com sugestões podem encaminhar suas observações para periodicos@capes.gov.br.
 
O diretor de Programas e Bolsas no País, Emídio Cantídio, e o diretor de Avaliação, Livio Amaral, participaram no último dia 31 de uma reunião para elaboração da nova ferramenta e diversas sugestões foram dadas para a melhoria da versão de teste. A equipe do Projeto de Atualização Funcional e Tecnológica do Portal de Periódicos da Capes já está providenciando as alterações solicitadas e adquirindo novos equipamentos para o desenvolvimento desta versão.
 
Acompanhe o site Portal de Periódicos para mais atualizações.
 
Portal de Periódicos
 
Lançado em novembro de 2000, o Portal de Periódicos da Capes é considerado uma biblioteca virtual que reúne conteúdo científico de alto nível, disponível à comunidade acadêmico-científica brasileira. Em dez anos, o acervo do Portal passou de 1.882 títulos de periódicos com texto completo, para 26.372 títulos. O número de instituições usuários foi multiplicado or quatro, passando de 72 instituições para 311, em 2010. Em 2010, foram contabilizados 67.392.805 acessos.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa da Capes

Veja torre do Palácio Güell de Barcelona, reinaugurado em maio

Palácio Guell (Palau Güell, em catalão) de Barcelona, na Espanha, foi reinaugurado em 25 de maio passado.

A mansão passou por uma renovação por sete anos que custou cerca de 9 milhões de euros (R$ 20,3 milhões).

Em estilo art nouveau, a construção foi planejada pelo arquiteto catalão Antoni Gaudí (1852-1926), famoso no modernismo espanhol.

O Palau Güell foi construído entre 1886 e 1890 para o industrial e político espanhol Eusebi Güell (1846-1918). Ele foi o patrono do artista por toda a vida de Gaudí.

En 1969, o local foi declarado Monumento Histórico-artístico de Interesse Nacional, e em 1984 a Unesco o declarou Patrimônio da Humanidade.

Fonte: Folha.com