“Brasil precisa olhar além de Niemeyer”

Notícia da Folha de S. Paulo

“Brasil precisa olhar além de Niemeyer”

Paul Goldberger, um dos mais populares críticos de arquitetura, ataca Brasília e defende novos nomes do país

Para estudioso, legado de arquiteto morto no ano passado é enorme, mas seu nome foi uma sombra para outros

RAUL JUSTE LORES
DE NOVA YORK

Chegou a hora de o mundo “descobrir” a nova arquitetura brasileira e, com tantas obras e grandes eventos a caminho, também de o Brasil olhar para mais arquitetos além-Niemeyer.

A opinião é do crítico de arquitetura mais popular dos EUA, Paul Goldberger, 62.

Professor de design e arquitetura da New School de Nova York, Goldberger foi, por 25 anos, o crítico de arquitetura do “New York Times”, no qual ganhou o prêmio Pulitzer por seus textos. De 1997 a 2011, exerceu a mesma função na revista “New Yorker” e, desde o ano passado, é colunista da “Vanity Fair”.

Na entrevista abaixo, ele fala que o plano piloto de Brasília é um “fracasso”, diz que o tempo suaviza a relação que temos com a arquitetura, que os modernistas, como Oscar Niemeyer, eram “arrogantes, mas tinham preocupação social” e que hoje muitos só pensam na estética.

SOMBRA

A sombra de Niemeyer era tão grande que impediu o mundo de ver quantos bons arquitetos existiam no Brasil. Não era fácil ser um arquiteto brasileiro se o seu nome não fosse Niemeyer. Ele era muito identificado com o país.

É triste que Niemeyer tenha ido. Mas, diante dessa perda, sem querer soar desrespeitoso, agora o mundo vai poder começar a observar outros arquitetos. Isay Weinfeld, Marcio Kogan, muito talentosos.

Mesmo o prêmio Pritzker não tirou Paulo Mendes da Rocha da sombra de Niemeyer.

NOVA ARQUITETURA

Nos próximos anos saberemos como anda a arquitetura brasileira. A posição do país mudou nos últimos anos, há muita construção acontecendo e, com a partida de Niemeyer, os arquitetos terão mais possibilidades de construir e de que o mundo preste atenção.

Eu vi muito trabalho recente de qualidade no Brasil, mas a maioria era residencial. Casas maravilhosas.

FRACASSO DE BRASÍLIA

Sou mais inclinado em separar o planejamento urbano de Lucio Costa, que é um grande fracasso, dos prédios de Niemeyer, que têm bastante apelo, têm um poder icônico. Quando finalmente os visitei, foi incrível, aquelas formas são incríveis. Nem tudo estava bem cuidado. Todo prédio de qualidade precisa de manutenção. Depois de 50, 60 anos, precisam de cuidados, igual a um ser humano. Alguns prédios eram lindos, outros horríveis.

CADÊ A RUA?

Se há alguma coisa que aprendi na minha carreira é que a coisa mais importante ao se construir uma cidade é fazer boas ruas. Brasília tem alguns bons prédios, mas não tem boas ruas. Você não tem uma cidade atraente.

Tem bons prédios de Niemeyer, mas que juntos não formam uma grande cidade.

Parece um campus governamental, não uma cidade. Como um campus universitário no subúrbio.

Mas é fascinante ver a experiência mais próxima da “ville radieuse” de Le Corbusier a ser realmente construída -e perceber quão terrível seria se essa visão corbuseriana tivesse sido implementada pelo mundo.

ARROGÂNCIA SOCIAL

Os arquitetos modernistas se sentiam políticos e até achavam fazer reengenharia social com suas obras.

Isso pode ser lido de duas formas. Como arrogância, pois eles achavam que sabiam o que era melhor para todo o mundo e que não precisavam ouvir outras pessoas. Nos anos 1950 e 1960, ainda era assim. Arquitetos poderiam ditar como as pessoas deveriam viver.

Mas há outro lado. Havia a convicção de que a arquitetura tinha um papel e uma responsabilidade social. Depois disso, muitos arquitetos começaram a ver a sua missão como apenas estética. Apenas fazer arte bonita.

CONTEXTO E CLIENTE

O problema de muitos modernistas era exercitar a preocupação social ditando regras, em vez de escutar mais. Arquitetos modernos aprenderam muito sobre os fracassos anteriores. Hoje eles são mais sensíveis ao urbanismo, à importância do contexto, a ouvir os seus clientes.

TEMPO SUAVIZA

Alguns dos prédios de Niemeyer não eram mesmo funcionais. É sempre melhor ver o que um arquiteto faz, não o que diz. Apesar do que dizia, muitos de seus prédios eram talvez obcecados demais com a forma às custas da função. Eram desenhados como objetos abstratos, como se a beleza sozinha fosse suficiente.

Pegamos mais leve hoje com seus prédios do que no passado em parte pelo efeito que o tempo tem sobre a arquitetura -suaviza as críticas, somos menos duros, nos acostumamos a tudo e criamos até nostalgia, sentimentalismo.

SINATRA BRASILEIRO

É fascinante ver uma nação em luto pela morte de Niemeyer. Nos EUA, a morte de nenhum arquiteto produziria essa pausa para se pensar em arquitetura. Parece que todo o Brasil sentiu a perda. Nos EUA, tivemos isso com [Frank] Sinatra. Dos especialistas à gente comum. Niemeyer foi muito além do mundo da arquitetura. Tomara que esse interesse sobreviva a ele.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: