Livro de fotos realça belezas do Ibirapuera

Notícia do Estadão.com.br

imagens do pq

As curvas da arquitetura de Oscar Niemeyer, o oásis verde no meio da selva de pedra, as pessoas, as árvores, as lembranças. Cada qual tem seu jeito de expressar o carinho pelo Parque do Ibirapuera, cartão-postal paulistano, a mais visitada área verde de São Paulo. Doze dessas expressões, em uma coleção de belas imagens, estão no recém-lançado livro Imagens do Parque Ibirapuera (Decor Books, R$ 169).

A editora convidou 12 fotógrafos para traduzir, em seus enquadramentos e ângulos, a alma do parque. Como o Ibirapuera é um desses lugares que trazem memórias afetivas a quase todo paulistano, a emoção de cada um se revela nas fotos. “Foram dois dias de ensaio, mas parecia que eu fotografei o parque por 20 anos”, conta Marcio Scavone, um dos participantes. “Tenho 59 anos. O Ibirapuera tem 58. Mas eu, que sempre vivi ali na região, tenho a impressão de que me lembro da inauguração, da chuva de papel prata, da algazarra danada que aconteceu na São Paulo daquele tempo.”

Scavone ressalta que o Ibirapuera é sua primeira memória. Mas não só sua. “Meus três filhos cresceram andando de bicicleta no parque. Por isso, minhas fotos têm a metafísica do tempo.”

Angelo Pastorello, outro fotógrafo convidado a integrar o projeto, fez um mix de técnicas. “Misturei processos, fotografei o parque aleatoriamente, usei câmera digital e de filme. De tudo isso, procurei tirar uma unidade estética”, conta. Em algumas das fotos, aparece uma bailarina, Anita Wicher, que parece combinar, com a leveza de seus movimentos, com a sinuosidade dos prédios concebidos por Oscar Niemeyer, como a Oca. “Eu já tinha feito fotos dela no Ibirapuera antes. Então, quando recebi o convite, achei que seria uma oportunidade de desenvolver mais essa ideia”, afirma Pastorello.

Mas não ficou só nisso. Ele também retratou um Mustang parado no estacionamento e se dedicou a enquadrar o Planetário. “Peguei lugares que emocionalmente são importantes para mim”, conta. “Mas sou fotógrafo, não tenho muito como explicar em palavras. Prefiro que a imagem seja mais importante do que o discurso, que fale por si só.” Nesse caso, vale o velho clichê: uma imagem vale por mil palavras.

(tema de recente coluna veiculada pela rádio Estadão)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: