Morre aos 85 anos o arquiteto David Libeskind, autor do Conjunto Nacional

Notícia da Folha de S. Paulo

RAUL JUSTE LORES
DE WASHINGTON

10/04/2014 09h58

O arquiteto David Libeskind, reponsável pelo projeto do Conjunto Nacional em São Paulo, morreu nesta quarta-feira (8), aos 85 anos. Ele sofria de mal de Parkinson há mais de 20 anos.

David Libeskind nos deixou uma visão do que São Paulo poderia ter sido: uma cidade com menos trânsito, mais segura e, sem dúvida, mais generosa.

Há quase seis décadas, o arquiteto desenhou o Conjunto Nacional, quando tinha apenas 25 anos de idade. O complexo da avenida Paulista com rua Augusta tem tudo aquilo que os monstrengos de Nova Faria Lima, Berrini ou Marginal Pinheiros nem sonham: uso misto, com escritórios, apartamentos e comércios no térreo, a ousadia de usar os mesmos materiais das áreas públicas nas áreas privadas, sem muros ou barreiras.

Com restaurantes, lojas, livrarias, bancos e farmácias, produziu uma das calçadas mais vivas e seguras de São Paulo de dia, de noite e aos fins de semana. As entradas para carros espertamente ficaram nas ruas secundárias —nas largas calçadas principais, espaço para o transporte público. As marquises que protegem horizontalmente as calçadas contrastam com o espigão bastante recuado.

Apesar do pé direito altíssimo, consegue ser aconchegante e convidativo. A rampa generosa leva ginga até o terraço-jardim. Rolezinho lá sempre existiu e jamais causou pânico.

Ao contrário dos prédios “inteligentes” que o PIB mais globalizado paulistano tem erguido ultimamente no Itaim e na Vila Olímpia, sem a menor conexão com a rua e onde a única saída para seus usuários é pegar o carro, no Conjunto Nacional bom mesmo é andar a pé.

Nascido em Ponta Grossa e criado em Minas Gerais, Libeskind teve o pintor modernista Guignard como mentor e foi também pintor e designer gráfico. Como arquiteto, ainda desenhou e construiu (em seu lado de empreendedor) no final dos anos 50 e início dos anos 60 edifícios residenciais em Higienópolis (como Arper, Arabá e Alomy) e casas no Pacaembu e nos Jardins. Desenhou escolas e bancos no interior do Estado e prédios bem menos importantes nos anos 70 e 80, sem repetir o impacto do Conjunto Nacional, sua obra máxima.

A lenda diz que ele chegou por último, e fora do prazo, ao concurso privado de arquitetura realizado pelo empresário argentino (de origem húngara) Pepe Tjurs, que queria construir um hotel ali na Paulista. O projeto foi impedido pela prefeitura, em uma história acidentada que lembra a do Copan, finalizado anos depois, e teve que ganhar as feições atuais.

Mas quantos paulistanos conhecem a história de Libeskind ou ouviram falar de seu nome? Sua história se perdeu, tanto quanto os concursos privados de arquitetura ou os edifícios generosos e abertos ao entorno.

Bem que, para honrar o seu legado, a rica administração do Conjunto poderia se livrar dos aparelhos de ar condicionado que poluem sua fachada. Mas, diante do feito urbanístico de Libeskind com um só prédio, a estética fica em segundo plano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: