Brasil precisa de seis milhões de profissionais estrangeiros; arquitetura lidera lista

Notícia – ARCOWEB

A Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) do governo federal realizou um estudo que revela a necessidade de trazer cerca de seis milhões de profissionais estrangeiros para o Brasil nos próximos anos, sendo que a arquitetura é uma das profissões que lidera a lista de oportunidades.

“Imigrantes qualificados são o foco do esforço. Não é uma política geral de imigração, é uma estratégia de atração de cérebros”, disse o ministro-chefe interino da SAE, Marcelo Neri, à BBC Brasil, que publicou uma reportagem sobre o assunto.

De acordo com a matéria de Camilla Costa, o Brasil é um dos países com a menor proporção de imigrantes em sua população, o que reflete “um fechamento do país ao fluxo de pessoas”. Os estrangeiros, que hoje representam 0,2% da população, subiriam para 3% com a adição de seis milhões de pessoas.

Para Neri, esse “fechamento” deve ser revertido com estratégias para atrair profissionais que adotem o sistema de pontos, utilizado em países como Austrália e Canadá. Atualmente, os vistos de trabalho para o Brasil são vinculados à contratação prévia por uma empresa no país.

Um levantamento da consultoria Brain, que realiza pesquisas sobre a inserção do Brasil no mercado internacional, ervela que as áreas em que o Brasil precisa de mais profissionais do que os disponíveis são: medicina, engenharia civil, engenharia química e arquitetura.

Mas o presidente da Federação Nacional dos Arquitetos (FNA), Jeferson Salazar, afirma à reportagem da BBC Brasil que, apesar da demanda, o setor público não absorve a quantidade de profissionais que chegam ao mercado a cada ano – cerca de sete mil.

“Nos últimos 25 anos, o número de escolas no Brasil cresceu seis vezes. A quantidade de jovens arquitetos com subemprego ou desempregados no país é imensa e o governo não tem nenhum plano para utilizar esse exército de mão de obra”, disse Salazar.