Depoimento: “Praça da Sé deveria ser lugar de lazer, não de violência”

Depoimento do prof. José Eduardo de Assis Lefèvre à Folha de S. Paulo.

JULIANA GRAGNANI
DE SÃO PAULO

05/09/2015 02h00

Quando o arquiteto José Eduardo de Assis Lefèvre, 72, coordenou a reforma da praça da Sé, em 1978, ele imaginava um local de “convivência pacífica, não de luta, violência”.

Arquiteto e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Lefèvre esteve à frente do projeto paisagístico feito para adequar a praça à estação de metrô que estava sendo construída no centro geográfico da cidade.

À Folha ele comentou o tiroteio que deixou dois mortos nas escadarias da catedral da Sé na sexta (4).

É uma tristeza. É algo que deixa a gente chateado, um momento de violência como esse. Teria sido melhor deixar acalmar a coisa, deixar a polícia se encarregar disso. Acho que foi imprudência do rapaz que tentou salvar a moça.

Uma coisa como essa reduz a sensação de segurança na cidade como um todo. Conheço a praça da Sé desde menino. Já passei “n” vezes por aquele lugar. O projeto da praça da Sé de 1978, de quando foi feita a estação [de metrô], fui eu que coordenei.

Ela é um dos espaços centrais de São Paulo. Quando foi reinaugurada, em 1978, a praça era um local de visitação. Depois, por vários problemas, inclusive a presença de ambulantes, deixou de ser um local frequentado pela população. No começo, as pessoas iam com família ver o espelho d’água. Deveria ser um local de lazer, e não de apreensão.

Uma praça é local de encontro das pessoas, de permanência, de confraternização e de convivência. De convivência pacífica, não de luta, briga ou violência. Foi projetada para ser um local de confraternização.

[A violência] não é uma coisa que afeta só a praça da Sé, mas a cidade como um todo. A vigilância –não necessariamente pela polícia ostensiva porque acho que ela sempre cria sensação ruim– por câmeras, pode ser uma solução.

A iluminação é um dos problemas da praça. Era para ter a vegetação cortada para permitir a visibilidade. Sem esse cuidado, você cria lugares sombrios.

Só que ali foi no espaço mais visado, né? Parecia que ele estava num palco. Lugar mais visível que aquele não tem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: