Eduardo Pimentel Pizarro recebe 1st Prize da LafargeHolcim Foundation

Eduardo Pizarro

 

O doutorando da FAUUSP Eduardo Pimentel Pizarro recebeu da LafargeHolcim Foundation (Zurique, Suíça) o 1st Prize na Student Poster Competition, realizada durante o evento 5th International LafargeHolcim Forum for Sustainable Construction, que aconteceu em Detroit (EUA), de 7 a 9 de Abril de 2016.

O projeto premiado é uma proposta de requalificação dos interstícios urbanos da Favela de Paraisópolis (São Paulo), desenvolvida como pesquisa de mestrado na FAUUSP e na Architectural Association Graduate School (Londres), sob orientação da Prof. Dra. Joana Carla Soares Gonçalves, e financiamento da FAPESP (2012 a 2014).

A pesquisa de mestrado parte da premissa de que as favelas constituem uma realidade consolidada na cidade de São Paulo. Apesar de carências infraestruturais, os interstícios urbanos de favela configuram potencialidades para promoção de vida urbana, coesão comunitária, mobilidade, lazer, geração de renda e conforto ambiental urbano e edilício. Isto posto, como fazer valer as oportunidades urbanas latentes dos interstícios e interfaces de favela? O objetivo é caracterizar e experimentar a requalificação ambiental, urbana e social do objeto de pesquisa, os interstícios e interfaces urbanos da Favela de Paraisópolis, a segunda maior de São Paulo. O Método é fundamentalmente empírico, com avaliação da situação existente, a partir de critérios pré-estabelecidos, seguida pela proposição de alternativas e estratégias para a apropriação dos interstícios e interfaces urbanos de favela, como efetivos espaços de convivência e vida urbanos. O desenho é ferramenta fundamental de investigação. A sobreposição de estratégias ambientais, urbanas e sociais, envolvendo diferentes escalas e agentes, com foco na reativação de espaços intersticiais e permeabilização do ambiente construído conduz à requalificação da favela, como organismo urbano a inspirar a reconstrução da própria cidade dita formal.

O LafargeHolcim Forum Student Poster Competition tem o objetivo de reconhecer projetos inovadores das novas gerações de arquitetos e engenheiros de universidades de ponta ao redor do globo, como MIT (EUA), ETH (Suíça) e Tongji University (China). Os projetos foram votados por mais de 250 profissionais, de 40 países, incluindo Ricky Burdett (LSE, Londres), Julia King (LSE, Londres), Marc Angélil (ETH, Zurique), Neil Brenner (GSD, Cambridge) e Michael Dear (University of California, Berkeley).

Fonte: FAUiNFORMA

Clique AQUI para fazer o download da dissertação de mestrado de Eduardo Pimentel Pizarro.

Anúncios

Os designers e suas criativas produções

Notícia do Jornal da USP

IZABEL LEÃO

O curso de Design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP transforma os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) dos alunos formados em 2014 em objetos de exposição no Museu de Arte Contemporânea (MAC), na Cidade Universitária. Em cartaz até 7 de agosto, a mostra “FAU Forma: Designers 2015” reúne 25 TCCs, que destacam como temática principal a preocupação com a dimensão social do trabalho do designer e um olhar direcionado às urgências da contemporaneidade.

Os projetos focam temas como a mobilidade urbana, a adequação de equipamentos a idosos, novos modelos de aprendizado, processos colaborativos mediados por plataformas portáteis, sustentabilidade e novas práticas de empreendedorismo. Segundo a professora Giselle Beiguelman, coordenadora do curso de Design da FAU, a exposição é fruto de um trabalho de uma equipe formada por professores e alunos. “Além do desenvolvimento dos TCCs, os alunos foram desafiados a conceber a exposição de ponta a ponta. Eles desenvolveram os displays, mesas, cadeiras, tudo com solução de baixo custo, pensando nos padrões industriais e sem sobras”, diz Giselle.

Jogo de dominó – Um dos trabalhos apresentados na mostra é de autoria de Mayara Pillegi Moura Santos, que em seu TCC, orientado pela professora Clice Mazzilli, desenvolveu um projeto que busca estimular a criatividade de crianças entre 7 e 9 anos através de quatro experimentos gráficos. Um deles propõe uma brincadeira de compor palavras. São peças em madeira colorida avulsas, como um jogo de dominó, que apresenta palavras cortadas ao meio e que, ao se juntarem a outras, geram novas palavras. Tem também um puzzle que propõe a criação de padrões gráficos, peças modulares para construir espaços bidimensionais e uma roleta que ajuda a desenhar novos bichos. “Cada experimento, a seu modo, buscou relacionar-se com as atividades cotidianas e recreativas das crianças, propondo estimular o lazer e a criatividade, apresentando-se como ferramenta para o fazer criativo: para o desenho, para a escrita, para a construção do espaço e para a construção de padrões gráficos”, explica Mayara.

Outro TCC apresentado na mostra é o Guia da Universidade de São Paulo, uma proposta de aplicativo para smartphone que oferece informações sobre a Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira a seus visitantes e frequentadores. Ele foi desenvolvido por Marcella Monaco Jyo, orientada pela professora Daniela Kutschat Hanns. O guia apresenta os diferentes tipos de informações de forma organizada, com funcionalidades que facilitam a navegação pelo aplicativo e a localização do conteúdo desejado. “É de fácil utilização e conta com um layout agradável. Tem como objetivo possibilitar que seus usuários explorem e conheçam melhor o campus, proporcionando uma boa experiência em relação ao acesso às informações e à localização na Universidade”, destaca Marcella. Ela afirma que a ideia surgiu a partir de observações e experiências pessoais. “Eu mesma já me perdi dentro da USP e senti dificuldade em encontrar determinadas informações de maneira rápida e que estivessem centralizadas em um único meio”, observa.

Veículo – Mardem Pires das Dores, orientado pelo professor Marcelo Oliveira, propõe em seu TCC – também exposto no MAC – um projeto de veículo urbano voltado ao uso compartilhado, o Insieme. Ele explica que se trata de um design de carro exclusivo, com várias opções de customização por parte do usuário, como escolha de cor, grafismos e configurações pessoais. “Compacto, o carro pode levar dois passageiros, além de contar com suporte para bicicletas. O sistema de propulsão é elétrico, não emitindo poluentes durante o seu uso. Com formas ousadas e estilo, o Insieme é coletivo, individual e divertido. O diferencial é que o usuário pode dar ao carro um toque mais pessoal e personalizar diversas funcionalidades, tudo integrado à internet e acessível por meio de aplicativo de celular”, analisa.

Já Liane Sayuri Honda, orientada pelo professor Luis Claudio Portugal do Nascimento, desenvolveu um kit de cultivo de plantas de pequeno porte para crianças de 8 a 12 anos em ambiente doméstico urbano. “A intenção é influenciar indiretamente as crianças urbanas a terem mais afeto pelas plantas, para que, no futuro, possam ter mais respeito pelo ambiente”, destaca. Ela afirma que foi motivada a desenvolver o kit pela falta de consciência ambiental dos moradores urbanos e a falta de contato com a natureza, criando uma certa alienação. “Foquei nas crianças, pois acredito que é mais difícil gerar consciência ambiental nos adultos, que já têm suas manias e opiniões formadas. Através de um brinquedo que forma um elo afetivo na infância, acredito ser mais fácil plantar essa semente”, observa.

A exposição “FAU Forma: Designers 2015” está em cartaz até 7 de agosto, de terça a sexta-feira, das 10h às 18h, no Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP (rua da Praça do Relógio, 160, Cidade Universitária, São Paulo). Entrada grátis. Mais informações podem ser obtidas pelo site  www.fau.usp.br/fauforma/2015.

Lixeira de bordo da USP leva R$ 50 mil em prêmio de inovação da Airbus

Notícia da UOL

GR-retrolley

O carrinho é 30 kg mais leve e viabiliza a reciclagem de copos, garrafas e latas. (Imagem: Divulgação)

Um grupo com cinco estudantes da graduação em design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) faturou o prêmio de € 15 mil (R$ 51.390,00) no campeonato de inovação Fly Your Ideas, promovido em Hamburgo, na Alemanha, pela Airbus, em parceira com a Unesco. A cada dois anos, o concurso desafia jovens do mundo inteiro a reinventar produtos e serviços da aviação. A equipe da USP desenvolveu um carrinho para separação e compressão de materiais recicláveis durante a coleta do lixo no avião. Os brasileiros eram os únicos graduandos de design entre as cinco equipes, compostas majoritariamente por estudantes e pós-graduandos de engenharia.

Para a edição deste ano, foram mais de 518 projetos inscritos, de 3,7 mil estudantes e 104 países. A equipe brasileira ficou em segundo lugar. O prêmio principal, de € 30 mil (R$ 102.779,00), foi entregue a uma equipe composta por estudantes indianos. Eles representavam a Universidade de Tecnologia Delft, da Holanda, e se comunicaram apenas por teleconferência ao longo de todo o processo.  O grupo só se conheceu pessoalmente dias antes da premiação, em Hamburgo. O Multifun, nome do projeto vencedor, propõe a geração de energia a partir da vibração das asas do avião durante turbulências. Por meio do sistema, a energia armazenada poderia abastecer os sistemas de iluminação e entretenimento da aeronave.

O carrinho Retrolley , da equipe brasileira, foi criado em 2013 pelos estudantes Denise Ikuno, Liana Maki, Lucas Neumann, Lucas Otsuka e Tadeu Omae, que hoje têm entre 23 e 25 anos. Era um trabalho da disciplina de projeto e engenharia de produto, ministrada pelos professores Fausto Leopoldo Mascia (Poli-USP) e Robinson Salata (FAU-USP). A lixeira seletiva foi concebida para reduzir drasticamente o volume de metal, papel e plástico, além de armazenar fluidos residuais. A solução ocupa metade do volume (120 litros, em vez de 240 litros) e é 30 quilos mais leve que o equipamento tradicional. E, como se sabe, peso e espaço são variáveis-chave para a aviação.

Atualmente, o lixo recolhido nos voos comerciais do mundo todo mistura alimentos, recipientes e embalagens arbitrariamente, o que inviabiliza a reciclagem. Nessas condições, cerca de 1.300 toneladas de lixo são incineradas em solo, todos os anos, pelas companhias aéreas.

alunos design

Lucas N., Lucas O., Liana, Tadeu, Denise e o professor Fausto, em Hamburgo.  (Foto: Arquivo Pessoal)

Trazidas a Hamburgo dias antes do campeonato, as equipes passaram por treinamentos para aperfeiçoar seus projetos e, em especial, para apresentá-los em inglês ao público e ao juri, no dia 27 de maio.

Essa é a segunda vez consecutiva que o Brasil se classifica para uma final do evento. Há dois anos, a equipe Levar, também da USP, ficou em primeiro lugar, com um sistema de carregamento e descarga de bagagens que reduzia a carga de trabalho dos funcionários, por meio de uma solução com estofamento a ar. De acordo com o professor Fausto, que também acompanhou o grupo anterior, a equipe vencedora conseguiu registrar a patente do projeto no segundo semestre de 2014, com o apoio técnico do escritório de inovação da USP. Os criadores do carrinho Retrolley pretendem iniciar o processo assim que retornarem ao Brasil.

Leandro Quintanilha (leandroq@gmail.com) – O repórter viajou para Hamburgo a convite da Airbus.

Nós, da biblioteca da FAUUSP, parabenizamos os alunos premiados!

Tese de aluna da FAUUSP recebe Menção Honrosa no Prêmio CAPES de Tese – Edição 2014

A aluna de pós Graduação da FAUUSP Gisela Barcellos de Souza recebeu menção honrosa no Prêmio CAPES de Tese Edição 2014, pela tese – Tessituras híbricas ou o duplo regresso: encontros latino-americanos e traduções culturais do debate sobre o retorno à cidade. Seu orientador foi o Professor Dr. Paulo Bruna.

Parabéns a ambos por essa premiação!

medalha

:

Aluna da FAUUSP ganha estágio no MIT

Aluna do Curso de Design da FAUUSP é uma das duas vencedoras do Hackathon Natura Campus Media Lab.

A aluna do Curso de Design da FAUUSP, Caroline Rozendo foi uma das grandes vencedoras do Hackathon Natura Campus Media Lab,realizado pela Natura e Media Lab MIT,  no início do mês de agosto. Dos 88 pesquisadores brasileiros inscritos, apenas oito foram selecionados para participar da maratona de cocriação e prototipagem, junto a colaboradores e consumidores da marca Natura e pesquisadores do MIT Media Lab, e após três dias de trabalhos saíram apenas dois vencedores.

O objetivo do Hachathon é desenvolver projetos e soluções tecnológicas que unem o universo cosmético ao ambiente virtual.

As vencedoras viajarão a partir de novembro próximo e, em até seis meses, darão continuidade, em conjunto com os profissionais do Media Lab, ao desenvolvimento das soluções tecnológicas que serão lançadas pela Natura no futuro.