Curso de Difusão: Caminhos Urbanos – Arquitetura, Cidade e Educação Patrimonial em São Paulo, no CPC-USP

Caminhos Urbanos

 

MÓDULO 1 – A construção do centro de São Paulo (1877-1954)

Cadastro das pré-inscrições de 15 a 28 de agosto de 2016 no link http://goo.gl/forms/OoGNmyzBnkEQDIJq1

O curso tem como objetivo oferecer aos participantes a oportunidade de conhecer a cidade de São Paulo para refletir criticamente sobre a constituição arquitetônica e urbanística do seu centro e sobre os significados de seu patrimônio, procurando entrelaçar as histórias da arquitetura e da cidade com os contextos econômico, político, social e cultural brasileiros.

MINISTRANTES
Ana Claudia Scaglione Veiga de Castro
Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e professora do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Fundamento Sociais da Arquitetura e Urbanismo.

Joana Mello de Carvalho e Silva
Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, professora do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e da Escola da Cidade. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História e Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo.

PERÍODO
De 12 de setembro a 24 de outubro de 2016, às segundas-feiras, das 18h30 às 20h30 e sábados, 8 e 22 de outubro de 2016, das 9h às 13h.

PÚBLICO-ALVO
Professores da Rede Pública de ensino e funcionários públicos de instituições afins (arquivos, bibliotecas, escolas, etc).

CARGA HORÁRIA: 20h

VAGAS OFERECIDAS: 32

ATIVIDADE GRATUITA

PROGRAMA

12/9 – AULA 1
Compreender a arquitetura, pensar a cidade, reconhecer seu patrimônio I
Parâmetros de compreensão da arquitetura, do urbanismo e do patrimônio, entendidos como parte da história cultural da cidade.

19/9 – AULA 2
A cidade de taipa e sua expansão [meados do século 19]
Em meados do século XIX, notam-se os primeiros impulsos transformadores que alteram a paisagem urbana: a fundação da Academia de Direito (1847), o surgimento da imprensa, a implantação das linhas férreas, a presença de estrangeiros e ex-escravos em busca de seu lugar na cidade. É nesse momento que ocorrem as primeiras reformas classicizantes nas antigas construções de taipa, e se impõe a necessidade de cruzar o Anhangabaú, levando à construção do Viaduto do Chá.

26/9 – AULA 3
Ecletismo como índice da modernidade [fim do século 19, início do 20]
A vontade modernizadora posterior à Independência, à abolição e à proclamação da República se materializa numa arquitetura eclética de inspiração europeia que remodela o centro. O vale do Anhangabaú deixa de ser os fundos da cidade para se tornar um cartão postal, a sua face moderna, com os novos edifícios que o circundam: Teatro Municipal, Palacetes Prates, Edifício dos Correios e Telégrafos, entre outros.

03/10 – AULA 4
Primeira verticalização [décadas de 1920 e 1930]
A necessidade de se intervir num centro já congestionado gera alguns planos e intervenções urbanísticas, como o Perímetro de Irradiação (1924) e a Praça do Patriarca (1926). Nota-se também uma primeira verticalização que se sobrepõe à cidade eclética recém construída, criando novos cartões postais em que os primeiros arranha-céus – Sampaio Moreira, Martinelli, etc – são retratados. Intervenções de maior porte, quando a região da República já é compreendida como centro, culminam no Plano de Avenidas (1930).

08/10 – AULA 5
Caminhos urbanos: arquitetura, cidade e educação patrimonial I
VISITA AO CENTRO VELHO
Percurso pelas bordas da colina histórica, partindo do Pátio do Colégio, em direção a Sé, Carmo, Boa Vista, São Bento, Libero Badaró, Patriarca, São Francisco, São Bento, viaduto Boa Vista e Pátio do Colégio. Visita aos edifícios do Pátio do Colégio e Sampaio Moreira.

10/10 – AULA 6
Segunda verticalização [décadas de 1940 e 1950]
Um segundo período de verticalização é parte do processo de metropolização da cidade, com a expansão e consolidação da mancha urbana, a diversificação das atividades econômicas, a vinda de novos fluxos migratórios e o significativo aumento da população, gerando uma nova face moderna para São Paulo. Edifícios modernistas povoam a paisagem do centro velho e do centro novo, conformando uma nova área de investimentos.

22/10 – AULA 7
Caminhos urbanos: arquitetura, cidade e educação patrimonial II
VISITA AO CENTRO NOVO
Percurso a partir do Viaduto do Chá, Teatro Municipal, São João, Ipiranga, Praça da República, São Luís, Praça Dom José Gaspar, Rua Marconi, Teatro Municipal. Visita ao Teatro Municipal e à Biblioteca Mario de Andrade.

24/10 – AULA 8
Compreender a arquitetura, pensar a cidade, reconhecer seu patrimônio II
Pensar os desafios do patrimônio no centro de uma cidade que congrega diversas camadas, inúmeras imagens e que formulou sua identidade na destruição do passado e no elogio do novo.

CADASTRO DAS PRÉ-INSCRIÇÕES de 15 a 28 de agosto de 2016 no link http://goo.gl/forms/OoGNmyzBnkEQDIJq1

IMPORTANTE: haverá seleção.
O cadastro da pré-inscrição não garante a vaga no curso.
Até o dia 8 de setembro de 2016, selecionados ou não, serão comunicados por email.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO
Ordem de inscrição e análise de justificativa de intenção.

CRITÉRIOS DE APROVAÇÃO
Frequência mínima exigida de 85%, bem como participação nas atividades. Carga horária mínima de 17h para aprovação do aluno. Carga Horária Mínima p/ Aprovação do Aluno (inclusive monografia): 17h.

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO CURSO
O curso será realizado no Centro de Preservação Cultural Casa de Dona Yayá CPC-USP, na rua Major Diogo, 353 – Bela Vista – São Paulo – SP

Realização: Centro de Preservação Cultural – USP

Fonte: CPC-USP

Anúncios

Oficinas do VI Fórum Mestres e Conselheiros: Agentes Multiplicadores do Patrimônio

VI FÓRUM MESTRES E CONSELHEIROS

 

O VI FÓRUM MESTRES E CONSELHEIROS anuncia suas oficinas, que poderão ser cursadas gratuitamente por todos os inscritos no evento. A presença nas oficinas será considerada pelo IEPHA-MG para fins de pontuação no ICMS-Cultural de 2014.

01.   Legislação Estadual de Incentivo à Cultura

Felipe Rodrigues Amado Leite (Secretaria Estadual de Cultura)

Apresentação introdutória dos mecanismos de acesso ao Fundo Estadual de Cultura (FEC) e à Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Estado de Minas Gerais. Oficina de elaboração de projetos.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 04 e 05 / 06, das 14h às 18h.

02.   O patrimônio arqueológico brasileiro: conhecer para preservar.

Edithe da Silva Pereira (Ministério da Ciência e Tecnologia, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, PA)

Introdução à arqueologia brasileira; a destruição do patrimônio arqueológico brasileiro e os aspectos legais da sua proteção; a educação como forma de preservação; o turismo arqueológico como caminho do conhecimento e da preservação; a arqueologia ao alcance de todos – a difusão do conhecimento cientifico.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 05 / 06, das 14h às 18h.

03.   O Tombamento de Bens Culturais

Maria Cristina Cairo Silva (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG)

A importância do mérito na eleição dos bens culturais a serem protegidos e as ações que devem ser empreendidas para garantir os efeitos do tombamento.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 04 / 06, das 14h às 18h.

04.   Patrimônio Cultural – A lei, o bem e o mal!

Telmo Padilha Cesar  e Jorge Luis Stocker Junior (DEFENDER / RS)

A Tutela do Patrimônio Cultural. Organização e empoderamento da sociedade. Compreensão e valoração de nossas heranças no contexto atual. Interesse difuso versus particular. Responsabilidades do Poder Público. Conflitos e soluções. Novas bandeiras de luta. Perspectivas futuras.

Carga horária: 8 horas-aula

Horário: Dias 05 e 06 / 06, das 14h às 18h.

  

05.   Metodologia de Projetos de Educação

Vilmar Pereira de Souza (IEDS / Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável)

Breve apresentação de experiências de Educação Patrimonial.  Trabalho com elaboração de projetos em Educação Patrimonial.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 05 / 06, das 14h às 18h.

 

06.   Fundo Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural

Valéria Fernandes da Silva

Tratar da forma como se institui este Fundo e dos cuidados que se deve ter para a sua gestão.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: a definir

 

07.   Fotografia

Guilherme Felipe Costa (EA/UFMG)

Introdução à fotografia. Uso da fotografia para registro da cidade e do patrimônio. Oficina prática para utilização de câmera digital.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dias 05 e 06 / 06, das 14h às 18h.

08.   Mobilidade em cidades históricas

Mariana Verônica de Moura (TECTRAN)

Mobilidade em cidades históricas, abordando o tráfego de veículos pesados, acessibilidade de deficientes, obediência às regras de transito, e formas de solucionar estes problemas.

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 06 / 06, das 14h às 18h.

09.   Uso de Novas Mídias na Educação Patrimonial

Vilmar Pereira de Souza (IEDS / Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável)

Apresentação de Novas Mídias e as possibilidades de usos na Educação Patrimonial (site, livros eletrônicos, revistas eletrônicas, mapeamento do patrimônio – Google Maps)

Carga horária: 4 horas-aula

Horário: Dia 06 / 06, das 14h às 18h.

As pré-inscrições podem ser feitas pelo e-mail oficinamestres2014@yahoo.com.br, informando os seguintes dados no corpo do e-mail: nome completo, instituição, e-mail, telefone para contato e o título da oficina desejada.

Jornadas de patrimônio/educação, no CPC-USP

cpc

 

 

Com a finalidade de debater questões voltadas a ações e programas de educação patrimonial, bem como refletir sobre os significados da educação no contexto da noção de patrimônio cultural – conforme empregada pelas recentes políticas culturais – o Centro de Preservação Cultural, da Universidade de São Paulo, pretende organizar um espaço horizontal de reflexão entre a universidade, instituições culturais e professores/educadores a partir da realização destas Jornadas de Patrimônio e Educação.

Organizadas em três dias de atividades que se estruturam em rodas de diálogo e oficinas instrumentais, as Jornadas proporão como debate central uma reflexão sobre as possibilidades da educação no contexto das políticas de preservação cultural de maneira a orientar discussões sobre conceitos e metodologias, além de problematizar a função do professor/educador – considerados como profissionais atuantes na ponta do sistema de educação formal e informal – como agentes de práticas culturais. Assumindo a importância da dialogia entre diferentes atores sociais na produção do conhecimento, cada uma das rodas de diálogo serão compostas por professores da Universidade, representantes de instituições culturais e professores/educadores de modo que as temáticas propostas possam ser abordadas desde distintos olhares profissionais. Por outro lado, acreditando na importância da experiência como fundamento metodológico, diferentes oficinas instrumentais serão propostas a todos os participantes, pautando a vivência de práticas de aprendizado para além de discussões teóricas.

As Jornadas de Patrimônio e Educação finalizam o ciclo de Encontros de Formação: docência, educação e patrimônio, realizado entre maio e julho de 2013 pelo Centro de Preservação Cultural com o objetivo de promover um espaço-tempo de diálogo e aprendizado sobre questões voltadas ao uso da ideia de patrimônio cultural no contexto de atuação de professores da rede pública de ensino e educadores atuantes em diversas instituições culturais. Assim, além dos convidados, alguns participantes dos Encontros farão parte das conversas conduzidas pelas rodas de diálogo por meio da apresentação de seus projetos de trabalho.

As discussões e o registro desta atividade poderão ser acompanhados no seguinte endereço: formacaoemeducacaopatrimonial.blog.com/

RODAS DE DIÁLOGO

1. Segunda-feira, 7 de outubro, 14h: Instituições culturais e formação docente

Gabriel Fernandes e Samira Chahin (CPC–USP)

Heitor Campos Bueno (EE Plínio Damasco Penna)

Átila Tolentino (Iphan/PB)

2. Terça-feira, 8 de outubro, 9h: Linguagens da educação patrimonial

Denise Peixoto (Museu Paulista)

Maria da Penha Teixeira (Ação Griô)

3. Quarta-feira, 9 de outubro, 9h: Instrumentos de diálogo

Aira Bonfim (Museu do Futebol)

Júlia Pereira (Iphan/PE)

OFICINAS INSTRUMENTAIS

1. Terça-feira, 8 de outubro, 14h: Oralidade e aprendizado griô

Maria da Penha Teixeira (Ação Griô)

2. Quarta-feira, 8 de outubro, 14h: Mapas mentais

Júlia Pereira (Iphan/PE)

ORGANIZAÇÃO

Samira Chahin
Arquiteta e Urbanista (FAU-USP), especialista em Gestão do Patrimônio Cultural (Universidade da Salamanca) e Mestre em Arquitetura e Urbanismo. Colabora com o CPC desde 2012 em processos de formação continuada de professores.

Equipe de Educação e Memória do CPC–USP
A Equipe, formada por profissionais e estagiários da Casa de Dona Yayá, promove ações dialógicas com o bairro e a cidade, por meio de atividades educativas onde são sensibilizadas a memória, as representações e o patrimônio cultural dos indivíduos e coletivos.

ATIVIDADE GRATUITA

Não é necessária a prévia inscrição para as mesas redondas.

A inscrição para as oficinas deve ser feita na seguinte página: http://bit.ly/oficinas-jornadas13

(as inscrições serão efetivadas segundo a ordem de inscrição, dando-se preferência aos participantes dos Encontros de Formação de 2013 e do curso de Educação Patrimonial de 2012).

Período: 07/10/2013 09/10/2013
Horário: verif. programação
Local: Os eventos são realizados na sede do CPC-USP / Casa de Dona Yayá, Rua Major Diogo, 353, Bela Vista, São Paulo, SP.

Fonte: CPC-USP

Curso “Patrimônio e ação: políticas de preservação do patrimônio material na contemporaneidade”, no CPC – USP

A temática do patrimônio e das suas relações com o local e o particular, colocada em contexto de globalização, encontra-se na ordem do dia. Os temas do patrimônio e das políticas de preservação destacam-se, em decorrência do aumento de ação efetiva dos órgãos de preservação em todo país e por seu confronto explícito com as demandas do setor imobiliário.

O curso pretende discutir as políticas de preservação no Brasil dos anos 90 até o presente nas suas relações com o crescimento urbano e desenvolvimento econômico, e na forma como se construíram políticas públicas e ações de preservação. Refletirá sobre o lugar do patrimônio cultural na sociedade contemporânea, problematizando suas principais questões, apresentando os temas mais urgentes e as formas de atuação na esfera pública e privada. Também contará com uma visita técnica à Casa das Rosas e à Casa Modernista, onde serão abordados os temas debatidos nas aulas.

Ministrantes

Flávia Brito do Nascimento
Doutora em Arquitetura – FAU-USP
Arquiteta do Iphan/SP e professora da Escola da Cidade

Simone Scifoni
Doutora em Geografia – IGEO-USP
Professora do Depto. de Geografia da USP e Conselheira do Condephaat

Curso de difusão

18 horas

Período

20 de março a 27 de abril, às quartas-feiras, das 18h30 às 21h (exceto o dia 27/04, sábado, que será das 10h às 13h).

Público Alvo

Estudantes de graduação e pós-graduação das ciências humanas, comunicação e artes, professores, educadores e profissionais de áreas afins.

Programa

20 de março
Política de preservação e ação pública: entre a teoria e a prática

27 de março
Educação patrimonial e participação social na preservação do patrimônio cultural

03 de abril
Patrimônio moderno, conceitos para valoração e práticas de preservação

10 de abril
Patrimônio natural, a construção das políticas e os desafios de proteção

17 de abril
Paisagem cultural: novas fronteiras do campo

24 de abril
Patrimônio industrial e memória operária

27 de abril
Visita de campo à Casa das Rosas e à Casa Modernista

TAXA

R$ 150,00 (inscrição + envio do certificado pelos Correios)

PRÉ-INSCRIÇÕES

18 de fevereiro a 03 de março de 2013

CRITÉRIO DE SELEÇÃO

Análise de justificativa de intenção, priorizando-se no preenchimento das vagas, a seguinte distribuição: 15 vagas para profissionais da área, 15 vagas para estudantes e pesquisadores atuantes na área, 10 vagas para interessados em geral.

VAGAS: 40

Vagas gratuitas: 5
Docente: 1
Discente: 1
Funcionário: 1
Terceira idade: 1
Outros/Comunidade: 1

PROCEDIMENTO DE INSCRIÇÃO:

18/02 a 03/03/2013 – Preencher a ficha de inscrição na íntegra e justificativa de intenção, que será disponibilizada na seção DOWNLOADS. Depois de preenchida, enviar para o e-mail cpc1@usp.br ou fax 11 3106-3562. Serão recebidas as 100 primeiras pré-inscrições. Após a seleção os candidatos serão orientados, via telefone ou e-mail, sobre os procedimentos para pagamento e efetivação da inscrição.

POLÍTICA DE ISENÇÕES

Serão vistos caso a caso, pela Diretoria do CPC, sendo os critérios: 1) ordem de solicitação no ato da inscrição. 2) sócio-econômico – que possibilitará beneficiar aqueles que não tenham condições de pagar a taxa de inscrição.

CRITÉRIO DE APROVAÇÃO NO CURSO

Frequência mínima exigida de 85% bem como participação nas atividades. Carga horária mínima de 15h para aprovação do aluno.

Período: 20/03/2013 – 27/04/2013
Local: Os eventos são realizados na sede do CPC-USP / Casa de Dona Yayá, Rua Major Diogo, 353, Bela Vista, São Paulo, SP.

Fonte: CPC-USP

4º Fórum Mestres e Conselheiros: Patrimônio, Turismo e Desenvolvimento Local – Chamada de trabalhos até 30/05/2012

[Clique na imagem para ampliá-la]

Chamada de artigos para o Segundo Caderno Temático de Educação Patrimonial

A Casa do Patrimônio de João Pessoa em parceria com a Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Paraíba – Iphan-PB e a Coordenadoria do Patrimônio de João Pessoa – Copac/PMJP, está selecionando artigos para compor o Caderno Temático de Educação Patrimonial nº. 02. A série Caderno Temático de Educação Patrimonial é uma publicação da Casa do Patrimônio de João Pessoa e tem como objetivo colaborar para a inserção do tema da Educação Patrimonial no processo de ensino e aprendizagem. Os Cadernos são voltados para os professores para auxiliar nos trabalhos desenvolvidos em sala de aula, mas também podem ser uma referência para outros profissionais que atuam no tema ou pesquisadores interessados na área.

O segundo número do Caderno será composto de duas partes: a primeira apresentará textos teórico-metodológicos, que serão escritos por autores convidados pela equipe da Casa do Patrimônio de João Pessoa. A segunda parte contará com artigos selecionados que tratem de projetos de Educação Patrimonial desenvolvidos no Estado de Paraíba para que essas ações possam ser divulgadas e tomadas como referência em novos projetos de Educação Patrimonial nas escolas, museus, instituições de cultura, feiras e outros locais ligados ao Patrimônio Cultural.

Consulte as orientações para apresentação de artigos.
Os interessados podem enviar artigos até o dia 18 de novembro de 2011.

Mais Informações:
Casa do Patrimônio de João Pessoa
Telefone: (83) 3241.2896
E-mail: iphan-pb@iphan.gov.br

 

Fonte: Ascom – Iphan/PB