Boletim CPC Informa – maio de 2016

[clique na imagem para ampliá-la]

cpc informa

Anúncios

Morre aos 85 anos o arquiteto David Libeskind, autor do Conjunto Nacional

Notícia da Folha de S. Paulo

RAUL JUSTE LORES
DE WASHINGTON

10/04/2014 09h58

O arquiteto David Libeskind, reponsável pelo projeto do Conjunto Nacional em São Paulo, morreu nesta quarta-feira (8), aos 85 anos. Ele sofria de mal de Parkinson há mais de 20 anos.

David Libeskind nos deixou uma visão do que São Paulo poderia ter sido: uma cidade com menos trânsito, mais segura e, sem dúvida, mais generosa.

Há quase seis décadas, o arquiteto desenhou o Conjunto Nacional, quando tinha apenas 25 anos de idade. O complexo da avenida Paulista com rua Augusta tem tudo aquilo que os monstrengos de Nova Faria Lima, Berrini ou Marginal Pinheiros nem sonham: uso misto, com escritórios, apartamentos e comércios no térreo, a ousadia de usar os mesmos materiais das áreas públicas nas áreas privadas, sem muros ou barreiras.

Com restaurantes, lojas, livrarias, bancos e farmácias, produziu uma das calçadas mais vivas e seguras de São Paulo de dia, de noite e aos fins de semana. As entradas para carros espertamente ficaram nas ruas secundárias —nas largas calçadas principais, espaço para o transporte público. As marquises que protegem horizontalmente as calçadas contrastam com o espigão bastante recuado.

Apesar do pé direito altíssimo, consegue ser aconchegante e convidativo. A rampa generosa leva ginga até o terraço-jardim. Rolezinho lá sempre existiu e jamais causou pânico.

Ao contrário dos prédios “inteligentes” que o PIB mais globalizado paulistano tem erguido ultimamente no Itaim e na Vila Olímpia, sem a menor conexão com a rua e onde a única saída para seus usuários é pegar o carro, no Conjunto Nacional bom mesmo é andar a pé.

Nascido em Ponta Grossa e criado em Minas Gerais, Libeskind teve o pintor modernista Guignard como mentor e foi também pintor e designer gráfico. Como arquiteto, ainda desenhou e construiu (em seu lado de empreendedor) no final dos anos 50 e início dos anos 60 edifícios residenciais em Higienópolis (como Arper, Arabá e Alomy) e casas no Pacaembu e nos Jardins. Desenhou escolas e bancos no interior do Estado e prédios bem menos importantes nos anos 70 e 80, sem repetir o impacto do Conjunto Nacional, sua obra máxima.

A lenda diz que ele chegou por último, e fora do prazo, ao concurso privado de arquitetura realizado pelo empresário argentino (de origem húngara) Pepe Tjurs, que queria construir um hotel ali na Paulista. O projeto foi impedido pela prefeitura, em uma história acidentada que lembra a do Copan, finalizado anos depois, e teve que ganhar as feições atuais.

Mas quantos paulistanos conhecem a história de Libeskind ou ouviram falar de seu nome? Sua história se perdeu, tanto quanto os concursos privados de arquitetura ou os edifícios generosos e abertos ao entorno.

Bem que, para honrar o seu legado, a rica administração do Conjunto poderia se livrar dos aparelhos de ar condicionado que poluem sua fachada. Mas, diante do feito urbanístico de Libeskind com um só prédio, a estética fica em segundo plano.

Biblioteca da FAU fechada para inventário

Comunicamos que a Biblioteca da FAU (Cidade Universitária) estará fechada de 17 a 21/02/2014 para realizar inventário.

Os materiais com devolução para esse período tiveram empréstimo prorrogado até o dia 26/02/2014.

Você sabe o que é o inventário? Clique aqui para saber!

Álvaro Siza admite que pode fechar escritório por falta de projetos em Portugal

Nem mesmo o vencedor do prêmio Pritzker, Álvaro Siza Vieira, está imune da crise econômica que assola Portugal nos últimos anos. Sem projetos no país, o arquiteto admite, em entrevista para a rádio portuguesa Renascença, que fechar o seu escritório “não está fora de possibilidade”.

“Seria para mim uma coisa dolorosa, que tenho responsabilidade pelas pessoas que trabalham aqui. Não é ponderável, é admitir ver que as coisas estão mal. Tenho que admitir para não ser apanhado de surpresa”, explica Siza ao salientar que não é o primeiro a tomar essa atitude, já que outros arquitetos de tradição também fecharam as portas de seus escritórios.

Embora o arquiteto português tenha propostas de trabalho em países como a Coreia do Sul, China e Japão, Siza afirma durante a entrevista que os projetos internacionais são feitos em parceira com outros escritórios e desenvolvidos nesses locais, por isso não há rentabilidade de se manter o espaço.

Os clientes do arquiteto no país luso estão sem dinheiro para investir em novos projetos arquitetônicos, principalmente o governo, que, segundo Siza, aceitar um novo projeto pode ser um risco, mas ressalta que não tem intenções de sair do mercado. “Se não trabalho, aborreço-me”, finaliza.

http://vmais.rr.sapo.pt

Confira o vídeo da entrevista concedida à rádio Renascença:

Fonte: ARQ!BACANA

Seminário Atualidade Sergio Buarque de Holanda vai ao ar, na Univesp TV

Os dez programas que resultaram do seminário Atualidade Sergio Buarque de Holanda vão ao ar, na Univesp TV, a partir da próxima segunda-feira, dia 30 de abril, às 22h. Os programas serão diários, com 30 minutos de duração, e serão reprisados no dia seguinte, às 16h30. A Univesp TV pode ser sintonizada pelo canal digital 2.2 da tv aberta digital ou, em streaming, pelo site: www.univesp.tv.br

Abaixo, segue a programação de exibição na Univesp TV, às 22h:

Dia 30/04: Antônio Cândido
Dia 01/05: Laura de Mello e Souza
Dia 02/05: Maria Odila Leite da Silva Dias
Dia 03/05: Richard Graham
Dia 04/05: Pedro Meira Monteiro

Dia 07/05: Antonio Arnoni Prado
Dia 08/05: Nestor Goulart Reis Filho
Dia 09/05: Antonio Carlos Robert de Moraes
Dia 10/05: Maria Alice Rezende de Carvalho
Dia 11/05: Brasílio Sallum Jr

 

Fonte: IEB-USP

Alexandre Delijaicov é o convidado do programa “Provocações” de hoje

 

O urbanista Alexandre Delijaicov é o convidado de hoje do programa Provocações, que vai ao ar pela TV Cultura, às 23h.

Site do Programa

Rede social para cientistas tem mais de 1 milhão de usuários

Plataforma na internet criada para facilitar a troca de experiências entre pesquisadores tem cerca de 35 mil brasileiros

Notícia da Agência FAPESP

Mais de 1,3 milhão de pesquisadores de diversos países – 35 mil só do Brasil – já se inscreveram na plataforma ResearchGate, uma espécie de Facebook dos cientistas. A proposta da rede social é facilitar a comunicação e a troca de experiências entre pessoas que atuam na mesma área de investigação.

Como outras redes, o ResearchGate conta com diversos grupos de discussão, nos quais os membros podem fazer e responder perguntas. Mas, diferentemente de outros sites do gênero, os perfis dos participantes são estruturados como se fossem um currículo científico, o que facilita a busca de usuários por área de atuação.

Além disso, os pesquisadores podem incluir um índice com suas publicações e um blog pessoal. Um calendário informa os participantes sobre eventos científicos em todo o mundo e uma bolsa de empregos oferece mais de 13 mil vagas nas diversas áreas da ciência.

A plataforma é gratuita e foi criada em 2008 pelo médico alemão Ijad Madisch, graduado em Hannover e pós-graduado em Harvard. Ele conta que teve a ideia quando fazia a pós nos Estados Unidos e deparou com um problema para o qual não achava resposta.

Madisch conheceu um colega que pesquisava o mesmo assunto e tentou manter contato com ele pela internet, mas sentiu que faltava uma ferramenta adequada para isso.

“Grande parte dos recursos gastos em uma pesquisa acaba cobrindo experiências malsucedidas, que não ganham espaço nas publicações”, disse.

Com o ResearchGate, segundo Madisch, os cientistas podem receber informações sobre os trabalhos de colegas do mundo inteiro, inclusive sobre as experiências que não deram certo. Isso evitaria repetir o que já se mostrou falho.

De acordo com os administradores do site, 30 brasileiros, em média, se registram diariamente.

Mais informações: www.researchgate.net