Curso de Difusão: Caminhos Urbanos – Arquitetura, Cidade e Educação Patrimonial em São Paulo, no CPC-USP

Caminhos Urbanos

 

MÓDULO 1 – A construção do centro de São Paulo (1877-1954)

Cadastro das pré-inscrições de 15 a 28 de agosto de 2016 no link http://goo.gl/forms/OoGNmyzBnkEQDIJq1

O curso tem como objetivo oferecer aos participantes a oportunidade de conhecer a cidade de São Paulo para refletir criticamente sobre a constituição arquitetônica e urbanística do seu centro e sobre os significados de seu patrimônio, procurando entrelaçar as histórias da arquitetura e da cidade com os contextos econômico, político, social e cultural brasileiros.

MINISTRANTES
Ana Claudia Scaglione Veiga de Castro
Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e professora do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Fundamento Sociais da Arquitetura e Urbanismo.

Joana Mello de Carvalho e Silva
Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, professora do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e da Escola da Cidade. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História e Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo.

PERÍODO
De 12 de setembro a 24 de outubro de 2016, às segundas-feiras, das 18h30 às 20h30 e sábados, 8 e 22 de outubro de 2016, das 9h às 13h.

PÚBLICO-ALVO
Professores da Rede Pública de ensino e funcionários públicos de instituições afins (arquivos, bibliotecas, escolas, etc).

CARGA HORÁRIA: 20h

VAGAS OFERECIDAS: 32

ATIVIDADE GRATUITA

PROGRAMA

12/9 – AULA 1
Compreender a arquitetura, pensar a cidade, reconhecer seu patrimônio I
Parâmetros de compreensão da arquitetura, do urbanismo e do patrimônio, entendidos como parte da história cultural da cidade.

19/9 – AULA 2
A cidade de taipa e sua expansão [meados do século 19]
Em meados do século XIX, notam-se os primeiros impulsos transformadores que alteram a paisagem urbana: a fundação da Academia de Direito (1847), o surgimento da imprensa, a implantação das linhas férreas, a presença de estrangeiros e ex-escravos em busca de seu lugar na cidade. É nesse momento que ocorrem as primeiras reformas classicizantes nas antigas construções de taipa, e se impõe a necessidade de cruzar o Anhangabaú, levando à construção do Viaduto do Chá.

26/9 – AULA 3
Ecletismo como índice da modernidade [fim do século 19, início do 20]
A vontade modernizadora posterior à Independência, à abolição e à proclamação da República se materializa numa arquitetura eclética de inspiração europeia que remodela o centro. O vale do Anhangabaú deixa de ser os fundos da cidade para se tornar um cartão postal, a sua face moderna, com os novos edifícios que o circundam: Teatro Municipal, Palacetes Prates, Edifício dos Correios e Telégrafos, entre outros.

03/10 – AULA 4
Primeira verticalização [décadas de 1920 e 1930]
A necessidade de se intervir num centro já congestionado gera alguns planos e intervenções urbanísticas, como o Perímetro de Irradiação (1924) e a Praça do Patriarca (1926). Nota-se também uma primeira verticalização que se sobrepõe à cidade eclética recém construída, criando novos cartões postais em que os primeiros arranha-céus – Sampaio Moreira, Martinelli, etc – são retratados. Intervenções de maior porte, quando a região da República já é compreendida como centro, culminam no Plano de Avenidas (1930).

08/10 – AULA 5
Caminhos urbanos: arquitetura, cidade e educação patrimonial I
VISITA AO CENTRO VELHO
Percurso pelas bordas da colina histórica, partindo do Pátio do Colégio, em direção a Sé, Carmo, Boa Vista, São Bento, Libero Badaró, Patriarca, São Francisco, São Bento, viaduto Boa Vista e Pátio do Colégio. Visita aos edifícios do Pátio do Colégio e Sampaio Moreira.

10/10 – AULA 6
Segunda verticalização [décadas de 1940 e 1950]
Um segundo período de verticalização é parte do processo de metropolização da cidade, com a expansão e consolidação da mancha urbana, a diversificação das atividades econômicas, a vinda de novos fluxos migratórios e o significativo aumento da população, gerando uma nova face moderna para São Paulo. Edifícios modernistas povoam a paisagem do centro velho e do centro novo, conformando uma nova área de investimentos.

22/10 – AULA 7
Caminhos urbanos: arquitetura, cidade e educação patrimonial II
VISITA AO CENTRO NOVO
Percurso a partir do Viaduto do Chá, Teatro Municipal, São João, Ipiranga, Praça da República, São Luís, Praça Dom José Gaspar, Rua Marconi, Teatro Municipal. Visita ao Teatro Municipal e à Biblioteca Mario de Andrade.

24/10 – AULA 8
Compreender a arquitetura, pensar a cidade, reconhecer seu patrimônio II
Pensar os desafios do patrimônio no centro de uma cidade que congrega diversas camadas, inúmeras imagens e que formulou sua identidade na destruição do passado e no elogio do novo.

CADASTRO DAS PRÉ-INSCRIÇÕES de 15 a 28 de agosto de 2016 no link http://goo.gl/forms/OoGNmyzBnkEQDIJq1

IMPORTANTE: haverá seleção.
O cadastro da pré-inscrição não garante a vaga no curso.
Até o dia 8 de setembro de 2016, selecionados ou não, serão comunicados por email.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO
Ordem de inscrição e análise de justificativa de intenção.

CRITÉRIOS DE APROVAÇÃO
Frequência mínima exigida de 85%, bem como participação nas atividades. Carga horária mínima de 17h para aprovação do aluno. Carga Horária Mínima p/ Aprovação do Aluno (inclusive monografia): 17h.

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO CURSO
O curso será realizado no Centro de Preservação Cultural Casa de Dona Yayá CPC-USP, na rua Major Diogo, 353 – Bela Vista – São Paulo – SP

Realização: Centro de Preservação Cultural – USP

Fonte: CPC-USP

Faculdade de Saúde Pública recebe seminário sobre mobilidade urbana e saúde

No dia 16 de maio, das 8 às 12h30, o Departamento de Epidemiologia em parceria com o Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP promoverá o I Seminário Caminhos da Cidade: O desafio de discutir mobilidade urbana e saúde.

Nas mesas de debate, serão discutimos temas como a poluição veicular no município de São Paulo, urbanização não planejada, idosos e dificuldade de atravessar as ruas em segurança, além de mobilidade motorizada e seus impactos na saúde.

O evento será gratuito, oferecido a acadêmicos da USP e aberto para toda a comunidade externa. Para participar, basta preencher este formulário eletrônico.

O seminário será transmitido via IPTV e oferecerá Atestados de Participação aos participantes inscritos e aos palestrantes, emitidos pela CCEx – FSP.

Fonte: Eventos USP

Curso: “Edifícios modernos em São Paulo: construção, usos e preservação” – inscrições até 17 de abril de 2016

cpc

 

Cadastro das pré-inscrições até 17/4/2016 no link http://goo.gl/forms/H5A4R5y9Ba

O curso busca apresentar e discutir a construção, a consolidação e a preservação de um conjunto de edifícios modernos na cidade de São Paulo, além de construir um amplo repertório crítico-reflexivo sobre a questão da preservação a partir de uma série de exemplos a serem analisados.

Ministrante
Profa. Dra. Sabrina Fontenele
Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal do Ceará. Mestre e Doutora pela FAU-USP. Pós-doutoranda pelo IFCH-Unicamp. Coordenadora da equipe de Construções, Conjuntos e Sítios do Centro de Preservação Cultural da USP. Autora do livro Restauro da Faculdade de Medicina da USP: estudos, projetos e resultados (2013) e Edifícios modernos e o traçado urbano no Centro de São Paulo (2015).

Período:
9 a 30 de maio de 2016, segundas e quartas-feiras, das 18h às 20h30 e sábado, 21 de maio, das 9h30 às 12h.

Público-alvo:
Estudantes de graduação e de pós-graduação, profissionais das áreas de Ciências Humanas, Arquitetura e Artes Visuais, interessados em geral.

Carga horária: 20h

PROGRAMA

9/5 – Transformações urbanas em São Paulo.
A expansão do núcleo urbano para a região oeste do triângulo histórico. A convivência entre arquitetura moderna e eclética na cidade de São Paulo.

11/5 – A “criação” da cidade modernizada.
Novos hábitos e novos programas para a metrópole. As transformações físicas e sociais da cidade na primeira metade do século XX.

16/5 – Transformações urbanas e arranha-céus em São Paulo.
A consolidação da arquitetura moderna no IV Centenário. O incentivo à criação nos térreos de espaços de convivência pela legislação urbana. Arte e cultura na metrópole. Convidado: dr. Diego Moreira Matos.

18/5 – Novos circuitos e rotas no Centro Novo: edifícios galerias e sociabilidade no Centro de São Paulo.
A proposta do térreo livre e das galerias modernas. Urbanidade e continuidade dos espaços públicos nos edifícios modernos do Centro Novo.

21/5 – Aula externa.
Reconhecimento das galerias modernas do Centro.

23/5 – Os desafios da preservação da arquitetura moderna.
Desafios construtivos e conceituais da preservação da arquitetura do Movimento Moderno. A preservação da arquitetura moderna na cidade de São Paulo.
Estudo de caso: o restauro do edifício do IAB. Convidado: prof. Silvio Oksman (Escola da Cidade).

25/5 – Preservação e apropriação do patrimônio arquitetônico moderno em São Paulo (I). Preservação e uso de habitações modernas. O restauro do Pedregulho (RJ) e pesquisas recentes sobre a preservação de conjuntos habitacionais. Convidada: profa. dra. Flavia Brito (FAU-USP).

30/5 – Preservação e apropriação do patrimônio arquitetônico moderno em São Paulo (II) . A gestão do patrimônio moderno na Universidade de São Paulo. Desafios da preservação dos edifícios modernos. Estudos de caso: Estação de Mairinque e Obelisco. Convidada: profa. dra. Helena Ayoub (FAU-USP).

Cadastro das pré-inscrições até 17/4/2016 no linkhttp://goo.gl/forms/H5A4R5y9Ba

IMPORTANTE: haverá seleção.
O cadastro da pré-inscrição não garante a vaga no curso.

O resultado da seleção será comunicado por email até 28/4/2016.

Total de vagas oferecidas: 32

Taxa de inscrição: R$ 180,00 (inscrição + envio do certificado pelos Correios)

Vagas gratuitas: 5
Docente: 1
Discente: 1
Funcionário: 1
Terceira idade: 1
Outros/Comunidade: 1

Política de Isenções
Serão vistos caso a caso, pela Diretoria do CPC, sendo os critérios: 1) ordem de solicitação no ato do envio da ficha de pré-inscrição. 2) sócio-econômico – que possibilitará beneficiar aqueles que não tenham condições de pagar a taxa de inscrição.
IMPORTANTE: manifestar intenção pela isenção da taxa.

Critérios de Seleção
Ordem de inscrição e análise de justificativa de intenção.

Critérios de aprovação
Frequência mínima exigida de 85%, bem como participação nas atividades. Carga horária mínima de 17h para aprovação do aluno. Carga Horária Mínima p/ Aprovação do Aluno (inclusive monografia): 17h.

Local de realização do curso
Rua Maranhão, 88, Vila Buarque – São Paulo – SP (FAU – Maranhão)

Fonte: CPC-USP

Workshop: O Guia dos Lugares Difíceis de São Paulo – Prof. Dr. Renato Cymbalista

cpc

 

WORKSHOP
O Guia dos Lugares Difíceis de São Paulo

Ministrante
Prof. Dr. Renato Cymbalista
Professor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da FAU-USP. Conselheiro do CPC-USP e coordenador do Grupo de Pesquisa Lugares de Memória e Consciência (USP-CNPq).

Proposta / objetivo da atividade

O Guia dos Lugares Difíceis é um projeto coletivo que vem sendo construído desde 2014 na FAU-USP. O Guia busca revelar as várias camadas de tensões, violações de direitos, violência, silenciamentos, mas também de lutas e movimentos sociais que agiram no território da cidade de São Paulo. Cada lugar difícil é sistematizado correspondendo a uma página do Guia, com informação em texto, imagem e mapa, permitindo tanto o turismo e as visitas a campo quanto a leitura corrida e desvinculada de percursos. O Guia dos Lugares Difíceis será publicado pela Editora Narrativa Um no segundo semestre de 2016.
O workshop proposto será de análise, revisão e edição do material já existente, além da proposição e redação de novos lugares difíceis a serem incluídos no Guia, que serão assinados pelos participantes do workshop individualmente.

Período
21 a 24/3/2016, segunda a quinta-feira, das 14 às 21h, com intervalo das 17 às 18h.

Carga horária: 24h

Programa

21/3 – Apresentação da proposta e das fichas já existentes do Guia dos Lugares Difíceis. Identificação das fichas que devem ser redigidas para completar o Guia.

22/3 – Análise e revisão das fichas já existentes do Guia

23/3 – Produção do material. Trabalho em grupos: edição de texto, produção de mapas, fotografia.

24/3 – Produção do material. Trabalho em grupos: edição de texto, produção de mapas, fotografia. Apresentação do resultado final.

Público-alvo
Estudante de arquitetura e urbanismo, história, geografia, pesquisadores, estudantes de pós-graduação e interessados em geral.

Total de vagas oferecidas: 15

Cadastro para inscrições: até 15 de março de 2016 no link http://goo.gl/forms/WtPDv5H0p2

IMPORTANTE:
Haverá seleção dos interessados.
O cadastro da inscrição não garante a vaga no workshop.
O resultado da seleção será comunicado por email até 17/3/2016.

Critérios de seleção
Análise da justificativa de intenção: na justificativa especificar o tipo de habilidade com a qual você poderá colaborar, como pesquisa, redação, revisão e edição de texto, editoração, construção de mapas e fotografia.

Atestado de participação
Será exigida frequência mínima de 85% e participação nas atividades, completando a carga horária mínima de 21h para emissão dos atestados de participação.

Local de realização do curso
Rua Maria Antonia, 258 – Vila Buarque – Centro Universitário Maria Antonia – USP

ATIVIDADE GRATUITA

Fonte: CPC-USP

Lançamento do livro: “As virtualidades do morar. Artigas e a metrópole”, na FAU Maranhão

virtualidades

 

Data: 17 de março de 2016
Horário: das 16h às 18hs
Local: FAU Maranhão
Endereço: Rua Maranhão, 88, Higienópolis, São Paulo – SP

IV Seminário Pensamento Crítico e Cidade Contemporânea “Richard Morse: São Paulo Comunidade Metrópole PC3”, na FAU Maranhão

Neste encontro, serão apresentados pela convidada, Profa. Dra. Ana Castro, trechos do livro de Richard Morse: A FORMAÇÃO HISTÓRICA DE SÃO PAULO (DA COMUNIDADE À METRÓPOLE) baseados na pesquisa sobre o autor americano e suas contribuições em relação às cidades brasileiras e latino americanas no momento em que se debatiam questões referentes ao tema da formação.

_ _ _

Neste encontros, oferecemos a oportunidade do público acompanhar as atividades do grupo de pesquisa PC3 [Pensamento Crítico e Cidade Contemporânea] coordenado pelos professores Luiz Recamán e Leandro Medrano .

Os encontro do grupo de pesquisa reúne os alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica orientados pelos coordenadores do grupo com o objetivo de promover um esforço coletivo e um debate em relação aos desdobramentos no pensamento crítico na arquitetura até a atualidade, considerando seu vínculo fundamental com a cidade contemporânea.

O encontro se dá no formato de um Seminário Aberto em que os debates são elaborados a partir de leituras específicas e temas relacionados à elas. Os alunos e eventuais convidados apresentam os textos para o público e iniciam o debate na sequência.

Não é necessário inscrição.
Certificados são emitidos após o evento mediante registro da participação no dia do encontro.

Data: 11 de Dezembro 2015
Horário: das 14h às 18h
Local: Sala dos Espelhos – FAU Maranhão
Endereço: Rua Maranhão, 88, Higienópolis, São Paulo-SP

Fonte: Facebook

Oficina de intervenção: “Trafegar pelos rios do Bixiga”

of interv traf rios bixiga

 

Convidamos a todos os interessados nos rios que se escondem sob o asfalto do bairro do Bixiga em participar da nova edição da oficina Trafegar pelos rios do Bixiga, na qual navegaremos nestes rios em um barquinho sobre rodas, construído coletivamente.

Oferecida pela primeira vez em 2013, quando foi ministrada pelo Coletivo Mapa Xilográfico, a oficina propõe aos participantes a criação e execução de uma intervenção urbana por meio da construção de um barquinho sobre rodas. Esta nova edição será ministrada pelo Bloco Fluvial do Peixe Seco, coletivo de intervenção urbana formado pelos participantes da oficina original de 2013. Navegando pelos rios de asfalto, buscaremos explicitar sua presença ausente no espaço urbano, promovendo encontros entre pessoas, memórias, lugares e vestígios.

Programa
22/11, das 9h às 18h. Durante a manhã, ocorrerá a apresentação dos participantes e uma conversa em roda sobre os rios e o trabalho do Bloco. Durante a tarde, serão elaborados os trabalhos de preparação para a intervenção. Para esta atividade, as vagas serão limitadas.

29/11, das 14h às 18h. Em atividade aberta ao público, o barquinho produzido pelos participantes, a partir do original em exibição na exposição “Trafegar pelos rios do Bixiga”, percorrerá os rios do Bixiga acompanhado dos participantes da oficina e de todos os demais interessados.

HIDROFAIXAS: RIOS VISÍVEIS DO BIXIGA
A oficina constitui atividade paralela à exposição Hidrofaixas: rios visíveis do Bixiga, que ficará em cartaz entre 26 de novembro de 2015 e 14 de fevereiro de 2016.

ATIVIDADE GRATUITA
Vagas limitadas: 30 participantes

As inscrições serão realizadas até o dia 15 de novembro de 2016 por meio da página http://bit.ly/1PkBoh5

A seleção será realizada por meio de sorteio, sendo reservadas metade das vagas para moradores da região da Bela Vista.

Datas e horários
Domingos:
22/11, das 9h às 18h (com pausa para almoço às 13h)
29/11, das 14h às 18h

Ministrante:
Bloco Fluvial do Peixe Seco
Coletivo de intervenção urbana constituído de forma autônoma pelos participantes e entusiastas da primeira edição da oficina “Trafegar pelos rios do Bixiga”, em 2013. Desde então, o grupo promove ações poéticas e políticas no espaço urbano, ocupando-o e questionando-o.

Fonte: CPC-USP