Dedalus inacessível – de 03 a 08 de junho de 2015

Aviso do SIBi-USP:

Prezados(as) colegas,

Comunicamos que devido à necessidade de reindexação do banco de dados bibliográfico Dedalus, este permanecerá inacessível, incluindo a interface web, durante o feriado prolongado de Corpus Christi, das 22h do dia 3 de junho até às 7h do dia 8 de junho de 2015.

Adicionalmente, informamos que o Portal de Busca Integrada estará acessível para buscas, no entanto as seguintes funcionalidadeestarão desativadaslogin para acesso ao histórico do usuárioreserva de obrasrenovação de obras; e verificação da disponibilidade do item (emprestado ou disponível).

Agradecemos de antemão a compreensão e a divulgação desse comunicado aos usuários de nossas bibliotecas.

Atenciosamente,

Anderson de Santana
Chefe Técnico de Divisão
Divisão de Gestão de Des
envolvimento e Inovação (DGDI)
Departamento Técnico
Sistema Integrado de Bibliotecas
Universidade de São Paulo
http://www.bibliotecas.usp.br
atendimento@sibi.usp.br

Dra. Maria Fazanelli Crestana
Chefe Técnica de Departamento
Sistema Integrado de Bibliotecas
Universidade de São Paulo
http://www.bibliotecas.usp.br
atendimento@sibi.usp.br

USP está entre as 50 melhores do mundo em 8 áreas, segundo QS Ranking

Notícia da USP – Sala de Imprensa

A USP ficou entre as duzentas melhores universidades do mundo em 35 das 36 áreas de concentração avaliadas pelo QS World University by Subject, divulgado hoje, dia 29 de abril

Elaborado pela Quacquarelli Symonds, organização britânica de pesquisa em educação, especializada em instituições de ensino superior, o ranking avaliou 3.551 universidades do mundo inteiro, em 36 áreas de concentração.

Em 8 áreas de concentração, a Universidade ficou entre as 50 melhores do mundo: Agricultura e Silvicultura (24ª posição); Arte e Design (34ª); Filosofia (37ª); Arquitetura (33ª); Engenharia Civil (47ª); Odontologia (12ª); Ciência Veterinária (36ª); Farmácia e Farmacologia (46ª).

A USP foi classificada na posição entre a 51ª e a 100ª melhores do mundo em 21 áreas de concentração. Em cinco áreas, a USP ficou entre as 150 melhores e, em uma delas, entre as 200 melhores do mundo.

As listas foram divididas em cinco grandes áreas: Artes e Humanidades, Engenharia e Tecnologia, Ciências da Vida e Medicina, Ciências Naturais e Ciências Sociais e Administração. Confira, na tabela a seguir, as classificações obtidas pela Universidade nas 35 áreas de concentração.

Veja, na tabela abaixo, as classificações da USP em cada uma das áreas.

Artes e Humanidades
Arquitetura 33ª
Arte e Design 34ª
Filosofia 37ª
História 51-100ª
Língua Inglesa e Literatura 201-250ª
Línguas Modernas 51-100ª
Linguística 101-150ª
Engenharia e Tecnologia
Ciências da Computação e Sistemas de Informação 51-100ª
Engenharia Civil 47ª
Engenharia Elétrica e Eletrônica 51-100ª
Engenharia Química 51-100ª
Engenharia Mecânica, Aeronáutica e de Produção 51-100ª
Ciências da Vida e Medicina
Agricultura e Silvicultura 24ª
Ciência Veterinária 36ª
Ciências Biológicas 101-150ª
Farmácia e Farmacologia 46ª
Medicina 101-150ª
Odontologia 12ª
Psicologia 101-150ª
Ciências Naturais
Ciências Ambientais 51-100ª
Ciências da Terra e do Mar 51-100ª
Ciências dos Materiais 51-100ª
Física e Astronomia 51-100ª
Geografia 51-100ª
Matemática 51-100ª
Química 51-100ª
Ciências Sociais e Administração
Administração 51-100ª
Contabilidade e Finanças 51-100ª
Comunicação e Estudos Midiáticos 51-100ª
Direito 51-100ª
Economia e Econometria 101-150ª
Educação 51-100ª
Estatística e Pesquisa Operacional 51-100ª
Política e Estudos Internacionais 51-100ª
Sociologia 51-100ª

Artigo “A USP é tudo isso?”, do reitor Marco Antonio Zago

Artigo publicado na Folha de S. Paulo, em 29/03/2015.

Marco Antonio Zago: A USP é tudo isso?

Pela quarta vez consecutiva, a Universidade de São Paulo foi reconhecida no ranking de reputação da organização britânica Times Higher Education –principal avaliação internacional de instituições de ensino superior– como uma das cem melhores universidades do mundo. Precisamente, a USP está entre as 60 primeiras.

Nessas classificações internacionais, concorremos com instituições que foram criadas há mais de 300 anos e que estão situadas em países com muito mais bagagem histórica em matéria de cultura e de geração de conhecimento.

Sem essa tradição é, no mínimo, bastante improvável que uma universidade alcance a excelência. Ninguém faz uma instituição desse porte e com esse nível de reputação da noite para o dia. Causa surpresa, portanto, que uma universidade localizada abaixo da linha do Equador, como é o caso da USP, alcance uma posição de tanto destaque.

Para que o leitor tenha uma ideia aproximada do que representa essa conquista, vale registrar que Itália, Espanha e Portugal possuem muito mais tradição em pesquisa, cultura e inovação e, não obstante, nenhum desses países tem uma representante na lista das cem melhores do mundo.

Não é só isso. Nenhuma universidade do mundo de cultura e língua latinas –abrangendo cerca de um bilhão de pessoas da Europa Ocidental, América Latina e Caribe– está em melhor posição que a USP. Há, porém, duas francesas na mesma posição (51ª a 60ª).

Somos a única universidade da América do Sul a registrar o nome no ranking da Times Higher Education por quatro anos seguidos.

É claro que isso alegra a todos. Uma instituição que tem 90 mil alunos, oferece 11 mil vagas no vestibular e forma 2.000 doutores a cada ano, situada a milhares de quilômetros dos grandes centros americanos e europeus, certamente precisa contar com muitas virtudes para chegar aonde chegou.

Mas, além do júbilo, que lição devemos tirar desse feito? Neste momento, devemos ter a maturidade de constatar que essa lição é a do trabalho, da autonomia universitária e do espírito público.

A USP se tornou o que é graças ao trabalho dedicado, qualificado e persistente de milhares de docentes, servidores e estudantes que procuram trilhar os caminhos do conhecimento em benefício da nossa gente e da humanidade.

O método com que trabalhamos não é menos determinante. Esse método ensina que o arrojo administrativo e a grandeza de propósitos não devem ser postos, jamais, como princípios opostos aos da transparência, da impessoalidade e da economicidade. A autonomia é indispensável ao desenvolvimento da ciência e à natureza diversa de uma universidade pujante e livre.

Ao mesmo tempo, a responsabilidade no trato dos recursos públicos, que são recursos de todos os cidadãos, deve ser um imperativo prioritário.

São valores como esses que nos trouxeram até aqui. Deles, não podemos nos desviar. A USP é um patrimônio de São Paulo, instalada atualmente na capital paulista e em outras sete regiões do Estado: Piracicaba, Ribeirão Preto, São Carlos, Bauru, Pirassununga, Lorena e Santos. Acima disso, ela é um patrimônio do Brasil e, cada vez mais, vem sendo valorizada pelo mundo acadêmico em todos os continentes, acima das fronteiras nacionais.

Buscando o melhor do ensino, da pesquisa e da extensão de suas atividades, a comunidade da USP tem todos os motivos para se sentir gratificada, mas deve estar consciente de que quer mais –e será mais.
Podemos nos orgulhar do que já alcançamos, sem fugir ao dever de saber que temos tudo para ser ainda melhores.

MARCO ANTONIO ZAGO, 68, é reitor da USP. Professor titular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, foi pró-reitor de pesquisa e presidente do CNPq – Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Portal de Revistas da USP

revistas1

 

http://www5.usp.br/71241/portal-de-periodicos-da-usp-seis-anos-de-acesso-aberto

50 mil teses online

Recebemos hoje esse comunicado do DT/SIBi:

 

Em breve, a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações – BDTD alcançará o significativo marco de 50.000 teses e dissertações online, disponíveis em http://www.teses.usp.br, comprovando o sucesso da iniciativa e consolidando o esforço conjunto da instituição em prol do acesso universal ao conhecimento.

 

Cabe destacar nesse processo a importância da participação das equipes do SIBiUSP e Escritório Regional do Departamento de Tecnologia da Informação de São Carlos para tornar a BDTD reconhecida e valorizada pela comunidade científica.

 

Mariza Leal de Meirelles Do Coutto
Respondendo pelo expediente do Departamento Técnico
Sistema Integrado de Bibliotecas

Parabéns a todas as equipes envolvidas nesse trabalho de divulgação da Produção Intelectual da USP!!!

Conversas na Tenda – “Urbanismo”, com Ermínia Maricato, Nabil Bonduki e José Tavares Correa de Lira

[clique na imagem para ampliá-la]

tenda

Data: 24/03/2014 (segunda-feira)
Horário: 19h
Local: Tenda Cultural Ortega y Gasset
Endereço: Rua do Anfiteatro s.n., Praça do Relógio, Cidade Universitária, São Paulo – SP

Ciclo de encontros “O Tempo das Construções: memórias de uma exposição”, no CPC-USP

Marcando o encerramento da exposição “O Tempo das Construções”, prorrogada até 28 de março, o Centro de Preservação Cultural da USP promove um ciclo de encontros com o objetivo de estimular a discussão sobre ações de gestão, conservação e restauro do patrimônio edificado e de acervos de arquitetura a partir da experiência de curadoria e montagem da exposição.

A mostra é fruto de uma pesquisa realizada junto ao acervo da Superintendência dos Espaços Físicos da USP (SEF) que analisou o material relativo aos projetos arquitetônicos dos dezenove bens tombados ou em processo de tombamento pertencentes à Universidade, em diferentes suportes. Entre o material exposto, croquis e perspectivas iniciais do conjunto do Cepeusp, de autoria do escritório Ícaro de Castro Mello Arquitetos Associados; originais do projeto executivo para o edifício e mobiliário da FAU Cidade Universitária, de autoria de Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, e fotografias históricas dos canteiros e das obras finalizadas.

 

PROGRAMAÇÃO

13/março | 15h30 às 17h30
Conversa sobre Patrimônio Edificado
Mediadora: Sabrina Fontenele
O projeto da exposição e a questão da gestão de edifícios tombados, em processo de tombamento ou sem reconhecimento oficial.

20/março | 15h30 às 17h30
Conversa sobre Acervos de Arquitetura
Mediadora: Cibele Monteiro da Silva
Os acervos de arquitetura a partir da experiência com a conservação e restauração dos desenhos presentes na exposição.

27 de março | 15h30 às 17h30
Conversa sobre Memória Universitária
Mediador: Gabriel Fernandes
Reflexões sobre memória e cultura universitária: usos, apropriações, significações, gestos e rituais promovidos nos espaços da universidade.

Inscrições no link INSCREVA-SE

Vagas limitadas

ATIVIDADE GRATUITA

Periodo: 13/03/2014 27/03/2014
Horário: 15h30 – 17h30
Local: Os eventos são realizados na sede do CPC-USP / Casa de Dona Yayá, Rua Major Diogo, 353, Bela Vista, São Paulo, SP.

Fonte: CPC-USP